January 7, 2019 / 6:36 PM / 4 months ago

DIs passam por correção e sobem, monitorando exterior e cena local

SÃO PAULO (Reuters) - As taxas dos contratos futuros de juros terminaram com elevação, com fluxo tomador (aposta na alta) após o recuo recente, monitorando o cenário externo na expectativa pelo desfecho das negociações entre Estados Unidos e China para um acordo comercial, além do noticiário doméstico.

“Os EUA e a China começam hoje a primeira rodada oficial de negociações comerciais depois do cessar-fogo anunciado no G20. Ainda estamos no começo das negociações mas, se alcançado, um acordo poderia ser muito positivo para os mercados”, disse a corretora XP Investimentos em relatório.

Os dois países trocaram tarifas comerciais no ano passado, elevando as preocupações sobre a desaceleração econômica global, sobretudo na economia chinesa, que já mostra alguns indícios de fraqueza.

Os EUA ainda seguem robustos —os números do mercado de trabalho de dezembro foram fortes—, mas o chairman do Federal Reserve, Jerome Powell, advertiu na sexta-feira que os efeitos futuros dessa guerra podem levar o banco central do país a ser mais cuidadoso para aumentar os juros no país.

A retomada esta semana das negociações entre norte-americanos e chineses, assim, está no radar dos agentes. O secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, disse que os dois países devem chegar a um acordo sobre questões comerciais imediatas, enquanto um pacto em questões estruturais e sua aplicação será mais difícil.

Internamente, a taxa básica de juros do país também deve ter uma trajetória suave de elevação, como mostrou a pesquisa Focus nesta segunda-feira. Economistas preveem agora que a Selic fechará o ano em 7 por cento, de 7,13 por cento na semana anterior, no terceiro recuo seguido da pesquisa.

Desta forma, a curva a termo continuou precificando possibilidades amplamente majoritárias de manutenção da Selic no primeiro encontro de política monetária do BC deste ano, nos dias 5 e 6 de fevereiro, com 90 por cento de chances, e o restante esperando elevação de 0,25 ponto percentual. No pregão anterior, a precificação era de 91 por cento de chance de manutenção.

Investidores também estavam de olho no noticiário político nacional, aguardando algum anúncio do novo governo, depois de, na sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro ter se “equivocado” ao anunciar um aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para financiar a manutenção dos benefícios da Sudam e Sudene.

“Gerou algum mal-estar no mercado esse ‘bate-cabeça’ na equipe do novo governo. Eles precisam se entender logo”, comentou um gestor de derivativos de uma corretora local ao acrescentar que esse “mal-estar” acabou ajudando na correção dos DIs.

Alguns profissionais comentaram que houve fluxo tomador em alguns vértices, o que acabou influenciando a curva de modo geral.

Veja as taxas dos principais contratos de DIs no fechamento:

mês ticker último fechamento variação

(%) anterior (%) (p.p.)

MAR9 6,415 6,415 0

JAN0 6,585 6,525 0,06

JAN1 7,4 7,27 0,13

JAN23 8,47 8,4 0,07

JAN25 9 8,93 0,07

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below