8 de Agosto de 2008 / às 12:38 / em 9 anos

Fogos e tambores abrem Jogos de Pequim; ex-ginasta acende pira

Por Crispian Balmer

<p>Artistas desempenham coreografia com tambores na cerim&icirc;onia de abertura das Olimp&iacute;adas de Pequim. Photo by Dylan Martinez</p>

PEQUIM (Reuters) - A poderosa China abriu na sexta-feira a Olimpíada de Pequim com um espetáculo de tambores e fogos de artifício, numa cerimônia espetacular que celebra a história do país e visa a fazer o mundo esquecer os últimos meses de controvérsias políticas.

O ex-ginasta chinês Li Ning, que conquistou seis medalhas nos Jogos de Los Angeles-1984, vai acender a pira olímpica, segundo a agência de notícias oficial Xinhua.

Um Exército de 2.008 percussionistas marcou o ritmo da contagem regressiva para os Jogos, momento de glória para um país que em poucas décadas passou da pobreza e do isolamento para se tornar uma potência econômica. O evento, porém, também atrai críticas internacionais devido à situação dos direitos humanos no país.

Cerca de 80 líderes mundiais, inclusive o norte-americano George W. Bush e o brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, estão entre os 91 mil espectadores da cerimônia no estádio Ninho de Pássaro. A audiência televisiva global deve superar 1 bilhão de pessoas.

Marcando o início da cerimônia, fogos espocaram junto às beiradas do estádio, luzes estroboscópicas piscaram, e uma floresta de baquetas luminosas dos percussionistas tingiu de vermelho a escuridão do estádio, envolto numa névoa úmida.

A cerimônia culmina sete anos de preparativos que deram nova forma a Pequim, e pretende ser um símbolo do desenvolvimento industrial do país.

“O momento histórico que tanto esperamos está chegando”, disse o presidente Hu Jintao num almoço de boas-vindas a outros dignitários. “O mundo nunca precisou tanto de compreensão mútua, tolerância mútua e cooperação mútua tanto quanto hoje.”

Mas a realização da Olimpíada também fez a China, país mais populoso do mundo, chamar a atenção por fatos como os distúrbios políticos no Tibete, que atraiu uma violenta repressão.

CUSTO RECORDE

A Olimpíada custa 43 bilhões de dólares para a China, superando de longe os 15 bilhões de Atenas-2004. Milhares de pessoas tiveram suas casas desapropriadas para dar espaço às instalações olímpicas.

Os Jogos devem ser oficialmente abertos por volta de 23h (12h em Brasília) pelo presidente do Comitê Olímpico Internacional, Jacques Rogge. O evento vai até dia 24. Serão 10,5 mil atletas, de 204 nações (um recorde), buscando 302 medalhas de ouro em 28 esportes.

Os chineses esperam que seus compatriotas salientem o poderio do país liderando o quadro de medalhas pela primeira vez na história.

Cerca de 14 mil pessoas participam do show, para o qual foram preparados 29 mil fogos de artifício, uma invenção local. O cineasta Zhang Yimou, no passado mal-visto pelo regime, foi o responsável por condensar 5.000 anos de história chinesa num só espetáculo.

E fora do estádio também há uma coreografia cuidadosamente preparada -- no caso, o trabalho dos cerca de 100 mil policiais e soldados de prontidão para evitar atentados e protestos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below