10 de Junho de 2014 / às 21:44 / em 3 anos

Fifa diz que Brasil não está pagando por custos operacionais do Mundial

BRASÍLIA (Reuters) - A Fifa defendeu-se nesta terça-feira das críticas pelas quais estaria faturando alto com a Copa do Mundo mais cara de todos os tempos, às custas do povo brasileiro.

Réplica da taça do Mundial é fotografada na sede da Fifa, em Zurique, em 23 de janeiro de 2014. REUTERS/Thomas Hodel

A Fifa disse em comunicado que pagou os 2 bilhões de dólares em custos operacionais do Mundial com dinheiro proveniente da venda de direitos de TV e marketing, e que nenhum centavo de dinheiro do contribuinte brasileiro foi gasto nesse tipo de despesa.

O Mundial com 32 países começa na quinta-feira e teve um custo total para o Brasil de 25,8 bilhões de reais (11,6 bilhões de dólares) em investimentos, incluindo estádios, aeroportos, transporte urbano e outros projetos de infraestrutura. Um terço dos recursos foi gasto para construir ou reformar os estádios das 12 cidades-sede.

A Fifa afirmou que foi uma escolha do Brasil construir 12 estádios, em vez de optar por oito ou 10, e que entre os investimentos há projetos de infraestrutura que não são diretamente relacionados ao Mundial, os quais ficarão como legado para o país.

Muitos brasileiros consideram o montante de dinheiro gasto excessivo para um país em desenvolvimento que possui prioridades mais urgentes, e os críticos alegam que o dinheiro deveria ter sido empregado na melhoria de serviços públicos deficientes nas áreas de saúde, educação e transporte.

Os altos custos causaram desilusão com o principal evento de um esporte pelo qual os brasileiros são apaixonados. Manifestações contra o torneio, como as realizadas durante a Copa das Confederações no ano passado, continuam a ameaçar o andamento do Mundial.

Parte dos brasileiros acredita que a Fifa transformou a Copa em um grande negócio, ao ponto de obrigar o país a modificar suas leis para permitir a venda de bebidas alcoólicas produzidas por patrocinadores dentro dos estádios.

Outra crítica comum está relacionada ao preço dos ingressos, e a Fifa afirma que há ingressos disponíveis por preços considerados baratos quando comparados a outros eventos esportivos como a Olimpíada, corridas de Fórmula 1 e torneios de tênis.

A Fifa também negou que tenha exigido isenção fiscal aos seus patrocinadores e a suas atividades comerciais durante a Copa, embora tenha solicitado a flexibilização de regras alfandegárias para importação de materiais necessários para a organização do torneio, tais como computadores, bolas de futebol e outdoors eletrônicos, disse a entidade no comunicado.

A Fifa também rejeitou acusações de que tenha demandado o despejo de pessoas que moravam perto dos estádios construídos ou reformados, ou que tenha afastado vendedores ambulantes dos arredores dos locais de realização das partidas.

Devido a preocupações de segurança, ambulantes tiveram que se cadastrar para vender somente produtos autorizados ao redor dos estádios, e para isso receberam treinamento e uniformes, disse o comunicado da Fifa.

A Copa do Mundo de 2010 na África do Sul gerou uma arrecadação total de 3,65 bilhões de dólares para a Fifa, incluindo 2,4 bilhões em direitos de transmissão pela TV, mas excluindo a renda da venda de ingressos. Os gastos totais foram de 1,3 bilhão de dólares, de acordo com a Fifa.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below