11 de Junho de 2014 / às 23:10 / em 3 anos

ENTREVISTA-Olheiro da seleção comemora ausência de croata Mandzukic

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Observador de adversários da seleção brasileira para o técnico Luiz Felipe Scolari, o ex-jogador Alexandre Gallo acompanhou de perto ao menos cinco jogos da Croácia, rival do Brasil na abertura da Copa do Mundo, e aposta num jogo duro na quinta-feira, mas comemora a ausência do centroavante adversário Mario Mandzukic.

O extenso relatório da Croácia foi entregue à comissão técnica do Brasil há alguns dias para que Felipão e o coordenador técnico Carlos Alberto Parreira pudessem estudar o adversário e testar em treinamentos o estilo de jogo croata.

Além de acompanhar de perto jogos completos da Croácia, Gallo reuniu uma coletânea de gols marcados e sofridos pelo adversário em diversas partidas ao longo dos últimos meses. Características específicas dos jogadores croatas também foram reunidas pelo olheiro.

“É uma equipe técnica, boa e será um jogo disputado”, disse Gallo à Reuters, em entrevista por telefone nesta quarta-feira, véspera da partida de abertura do Mundial.

O ex-jogador e agora observador da seleção brasileira prevê uma partida difícil para o Brasil na Arena Corinthians, em São Paulo, mas que seria ainda mais complicada se o atacante do Bayern de Munique Mandzukic não tivesse suspenso por ter sido expulso na repescagem europeia para o Mundial.

“Ele é o grande jogador da equipe, é o diferencial. Ainda bem para o Brasil que ele não está. É um pilar deles”, afirmou o observador da seleção brasileira, que também é o coordenador das categorias de base do Brasil.

Sem Mandzukic em campo, as atenções do Brasil devem estar voltadas para o meio-campista Luka Modric, do Real Madrid, atual campeão da Liga dos Campeões. O jogador é apontado como “o outro pilar croata“ e uma referência da seleção, de acordo com Gallo.

Enquanto Felipão garante que está pensando somente na estreia, o observador já está monitorando e mapeando os próximos rivais do Grupo A e potenciais adversários da segunda fase da Copa do Mundo. Gallo faz um raio-x de seleções como Chile, Uruguai, Holanda, Itália e Inglaterra.

A tarefa de analisar os adversários futuros é dividida com o ex-zagueiro da seleção e pentacampeão mundial Roque Junior.

Além da Croácia, a chave do Brasil na primeira fase tem ainda as seleções de México e Camarões. Tradicionalmente, o México costuma complicar a vida do Brasil, apesar de ter sido derrotado com facilidade na Copa das Confederações do ano passado.

“Eles são um adversário complicado porque têm habilidade e marcam muito forte. Eles têm nos incomodado ultimamente principalmente por conta dessa diminuição de espaço”, avaliou Gallo. “Não vai ter jogo fácil, todo mundo vem virado para cima do Brasil. São equipes distintas e vão impor dificuldades.”

O Brasil enfrentou a Croácia também na Copa do Mundo de 2006, vencendo por 1 x 0, gol de Kaká.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below