May 26, 2017 / 3:18 PM / 2 years ago

Beisebol para cegos conquista jogadores em Cuba

Gilberto Arteaga, que é deficiente visual, participa de aulas de beisebol em Havana, Cuba. 24/05/2017 REUTERS/Stringer

HAVANA (Reuters) - Yubis Zapata foi forçado a parar de jogar beisebol quando perdeu a visão em uma explosão quando prestava serviço militar, por isso considera um milagre poder voltar a jogar na crescente liga cubana de beisebol para cegos.

O esporte é uma paixão nacional em Cuba, e o país adotou rapidamente a versão adaptada depois que foi desenvolvida nos anos 1990 na Itália, mas o esporte só se popularizou nos últimos anos, se espalhando para todos os cantos da ilha caribenha.

Os jogadores como Zapata são ambiciosos. Seu sonho é que o beisebol para cegos seja incluído nos Jogos Paralímpicos de 2020 para poder levar a medalha de ouro para Cuba.

“Quando uma pessoa perde a visão, esses primeiros anos são difíceis”, disse Zapata, de 41 anos, durante um treinamento em Havana, em que os jogadores usavam uniformes brancos. “Depois, quando você segue seu caminho, você vê isso como algo fabuloso. Seu mundo não acabou, mas continua”.

Os jogadores, que são cegos ou deficientes visuais, usam vendas coloridas enquanto jogam e dizem que o beisebol os ajudou a apurar seu sentido de orientação por meio do som. Não há arremessadores, e as bolas, com guizos sonoros, são rebatidas sendo lançadas para o alto pelos próprios rebatedores.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below