for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Thiago Motta não deve usar contestada formação 2-7-2 no Genoa

Thiago Motta antes de partida entre o Paris St Germain e o Rennes pelo Campeonato Francês 12/05/2018 REUTERS/Pascal Rossignol

MILÃO (Reuters) - O novo técnico do Genoa, Thiago Motta, minimizou as insinuações de que atirará as convenções pela janela e utilizará uma nova formação ousada em seu novo clube.

Motta, indicado para seu primeiro cargo de treinador de um grande time, disse à Gazzetta dello Sport em uma entrevista concedida em novembro passado que quer revolucionar o esporte usando uma formação 2-7-2, na qual o goleiro conta como um dos meio-campistas.

“Para mim, o atacante é o primeiro zagueiro e o goleiro é o primeiro atacante. O goleiro inicia a jogada, com os pés, e os atacantes são os primeiros a fazer pressão para recuperar a bola”, disse na ocasião.

Mas em sua apresentação oficial nesta quarta-feira, Motta disse aos repórteres: “Aquilo foi só minha maneira de dizer que os números não são tão importantes no futebol”.

Motta, que treinou o time sub-19 do Paris St Germain, substituiu Aurelio Andreazzoli, demitido após nove jogos no posto. O Genoa, que escapou por pouco do rebaixamento na temporada passada, é o 19º dos 20 times da tabela, só à frente da vizinha Sampdoria.

Por Brian Homewood

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up