for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Ronaldinho Gaúcho chega a acordo com Procuradoria do Paraguai por caso de passaporte adulterado

ASSUNÇÃO (Reuters) - O ex-jogador Ronaldinho Gaúcho e seu irmão e empresário Assis chegaram a um acordo com a Procuradoria do Paraguai, na quinta-feira, para não serem processados pelo uso de passaporte adulterado, que os deixou em meio a um escândalo pouco depois da chegada ao país.

Ronaldinho deixa o Ministério Público do Paraguai após prestar depoimento ao lado do irmão Assis 05/03/2020 REUTERS/Jorge Adorno

Ambos foram convocados a prestar depoimento logo após a polícia apreender os documentos durante uma operação na noite de quarta-feira na suíte do luxuoso hotel em que estavam hospedados.

O procurador Federico Delfino disse que os irmãos reconhecerem o crime, mas alegaram tê-lo cometido sem querer.

“Estamos buscando uma saída alternativa que não resulte em um acusação formal e reconheça que essas pessoas foram, vamos dizer, pegas de surpresa”, disse Delfino a repórteres em Assunção.

Um juíz vai decidir nesta sexta-feira se aceita a recomendação de Delfino. Se assim fizer, ele determinará uma pena alternativa, possivelmente uma doação em dinheiro a alguma instituição de caridade local.

Delfino já havia explicado mais cedo que o ex-jogador e seu irmão saíram do aeroporto internacional de Guarulhos, em São Paulo, com documentação brasileira e teriam recebido os passaportes paraguaios “assim que deixaram o avião”.

“Tanto o senhor Ronaldinho quanto seu irmão disseram que era um presente”, disse Delfino, acrescentando que, segundo as investigações preliminares, os números dos passaportes correspondem a documentos de outras pessoas.

O advogado Adolfo Marin, um dos representantes do ex-atleta, disse a repórteres que Ronaldinho prestou depoimento e não tinha qualquer restrição, ainda que tenha optado por manter-se no país até que o caso seja esclarecido.

“Eles não precisavam de outro documento além do que já tinham. Eles viajaram para os Estados Unidos, a China, a Europa... estava em vigor e não tinha restrições”, disse Marin à Reuters.

O ministro do Interior do Paraguai, Euclides Acevedo, afirmou ter exigido a intervenção do Departamento de Migração e investigado quem autorizou a entrada do brasileiro no país. “Independentemente da popularidade de Ronaldinho, ele não deveria ter deixado o aeroporto”, disse o oficial a uma rádio local.

Delfino disse que pediu a prisão preventiva do brasileiro Wilmondes Sousa Lira, de 45 anos, que teria entregue os passaportes. O procurador também acusou duas mulheres paraguaias supostamente envolvidas com o caso, em investigação que, segundo ele, visa desmantelar uma rede de falsificação de documentos.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up