for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Máscara após máscara, Naomi Osaka leva protesto ao público internacional

Tenista japonesa Naomi Osaka usa máscara com o nome de Elijah McClain, em jogo do US Open 02/09/2020 Robert Deutsch-USA TODAY Sports

NOVA YORK (Reuters) - Naomi Osaka entrou no Arthur Ashe Stadium usando uma máscara que dizia “Elijah McClain” antes de sua vitória no Aberto dos EUA, na quarta-feira, aproveitando o apelo global do tênis em sua luta pela justiça racial.

A máscara da jovem de 22 anos homenageou McClain, homem negro de 23 anos que morreu após um conflito violento com policiais de Aurora, no Colorado, em 2019.

“Eu acho que o tênis --as pessoas assistem em todo o mundo”, disse ela em uma entrevista após a partida. “Coisas que pensamos serem nomes comuns provavelmente não são comuns no exterior.”

Ela já havia usado máscara em homenagem a Breonna Taylor, uma mulher negra morta por policiais que invadiram seu apartamento em março, no jogo de estreia na segunda-feira, e disse que possui sete máscaras diferentes com ela para o torneio.

“Quando soube da história dele, foi muito doloroso”, afirmou Osaka mais tarde aos repórteres, quando questionada sobre McClain. Em uma ação movida no mês passado contra a cidade de Aurora e sua polícia, a família de McClain alegou que ele foi atacado por policiais durante um incidente, apesar de não apresentar nenhuma ameaça física.

“Ainda não acho que o nome dele seja muito divulgado em comparação com, tipo, George Floyd ou Breonna Taylor. Para mim, hoje foi muito especial a maneira como eu queria representá-lo”, disse ela.

Osaka surpreendeu na semana passada quando anunciou que desistiria da semifinal do Western & Southern Open em protesto contra a brutalidade policial e a injustiça racial nos Estados Unidos.

Reportagem de Amy Tennery

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up