for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

PSG não teve intensidade em derrota para o United, diz Tuchel

Thomas Tuchel durante derrota do PSG para o Manchester United pela Liga dos Campeões 20/10/2020 REUTERS/Gonzalo Fuentes

PARIS (Reuters) - O formidável trio de atacantes do Paris St Germain normalmente causa terror nos oponentes, mas na derrota de 2 x 1 de terça-feira em casa para o Manchester United na estreia na Liga dos Campeões, não houve reação coletiva quando os três falharam.

Neymar, Ángel Di Maria e Kylian Mbappé decepcionaram, e faltou agressividade e inteligência para o restante dos campeões franceses compensarem as atuações abaixo da média de seus astros.

“Não houve intensidade, agressividade, pressão, contrapressão. Foi esquisito, não sei o motivo”, lamentou o técnico Thomas Tuchel, cujo time pareceu apagado todo o tempo em sua primeira derrota em casa na fase de grupos do torneio em 25 anos.

Tuchel trocou Idrissa Gueye pelo meia-atacante Moise Kean no intervalo, quando o PSG perdia por um gol na sequência do pênalti de Bruno Fernandes, mas a mudança deixou um buraco no meio-campo, ao invés de acrescentar criatividade na linha de frente.

Tuchel disse que Gueye estava contundido --o terceiro meio-campista a ser descartado por um problema físico depois de Marco Verratti e Leandro Paredes--, mas esperou até os 32 minutos do segundo tempo para enviar o também meio-campista Rafinha ao campo.

“Não foi um problema tático. Havia um problema com a intensidade e a atitude”, disse o treinador.

Confessando um mau pressentimento antes do jogo, ele disse que “o clima no vestiário... estava um pouco silencioso demais. Tive uma sensação esquisita. Normalmente há muita música, música alta, e estava muito silencioso.”

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up