for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Goleadas sofridas por time paulista reacendem debate sobre futebol feminino no Brasil

TABOÃO DA SERRA, São Paulo (Reuters) - Quando o time de futebol feminino de Taboão da Serra perdeu uma partida do Campeonato Paulista por 29 x 0 no mês passado, parecia que as coisas não poderiam ficar piores para o pequeno clube da periferia.

Jogadoras do Taboão da Serra no vestiário após derrota de 16 x 0 pelo Campeonato Paulista 11/11/2020 REUTERS/Amanda Perobelli

A derrota pavorosa rendeu manchetes em todo o mundo, mas não foi a gota d’água. O time perdeu os três jogos seguintes por 14 x 0, 10 x 0 e 16 x 0 e foi eliminado do campeonato estadual na fase de grupos.

Os resultados provocaram um novo debate sobre a competitividade do futebol feminino do Brasil. A reação --e, obviamente, a zombaria sexista-- foi ainda mais previsível.

Quando o clube perdeu, “eles disseram coisas como ‘o time todo está com Covid-19’, ‘nem se incomodem de jogar’, coisas assim, sabe?”, disse a capitã Lohane Ferreira.

Eles estavam “falando como se o futebol fosse só para os homens, que as mulheres deveriam ficar em casa lavando a louça, como escravas dos homens. A maioria das jogadoras recebe este tipo de mensagem”.

Os resultados e as mensagens refletem os desafios enfrentados pelas jogadoras no país.

Apesar de seleção brasileira feminina ser competitiva na arena global e do sucesso internacional da atacante Marta, a única mulher escolhida como Jogadora do Ano pela Fifa seis vezes, a maioria das brasileiras passa apuros no mundo do futebol.

Até times veteranos são acusados de não oferecerem às equipes femininas os mesmos equipamentos ou instalações dos times masculinos, e a paridade salarial é um sonho distante.

Taboão só conseguiu um campo de treinamento três dias antes do início do campeonato, e suas jogadoras arcam com quase toda a responsabilidade pelos preparativos, treinamentos e equipamentos.

“Não temos nenhum tipo de ajuda, nem chuteiras”, disse a meio-campista Alieni Baciega Roschel. “Todas as jogadoras têm que pagar pelo próprio equipamento. Elas pagam do próprio bolso para chegar ao treinamento. Cada uma delas gasta entre 20 e 30 reais por dia com transporte, algumas levam duas ou três horas para chegar em casa, algumas vêm direto do trabalho”.

Como muitos times brasileiros, o Taboão enfrenta dificuldades financeiras e está estudando se concentra todos seus recursos no time masculino no ano que vem -- mas as jogadoras prometeram continuar jogando.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up