for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Puma substitui Nike na camisa do Manchester City

Camisa do Manchester City durante final da Copa da Liga Inglesa contra o Chelsea 24/02/2019 Action Images via Reuters/Carl Recine

BERLIM (Reuters) - A Puma assinou uma parceria estratégica de longo prazo com o Manchester City, campeão da Premier League inglesa, substituindo a Nike, que fornecia material esportivo para a equipe, numa medida em que a Puma também busca compensar a perda do posto de fornecimento de material para o Arsenal para sua rival alemã Adidas, disse a empresa de roupas esportivas nesta quinta-feira.

A mídia britânica informou que o acordo pode valer 50 milhões de libras (67 milhões de dólares) por ano, mais que o dobro do que a Nike estava pagando, tornando-se o terceiro maior do futebol inglês, atrás do patrocínio da Adidas ao Manchester United e da parceria da Nike com o Chelsea.

O executivo-chefe da Puma, Bjorn Gulden, se recusou a comentar sobre o valor, mas disse que o acordo inclui um contrato fixo, um bônus que depende de conquistas esportivas e um componente de royalties.

“Acreditamos que estamos fazendo um acordo justo”, disse Gulden à Reuters. “O Manchester City é o melhor time da liga ... eles são muito avançados e extremamente analíticos com a forma como abordam o jogo e os negócios.”

O Manchester City venceu o Chelsea para manter o título da Copa da Liga Inglesa no domingo e atualmente é o segundo colocado na Premier League, além de ter chance de conquistar a Copa da Inglaterra e a Liga dos Campeões da Europa.

Sob a direção de Gulden, a Puma tentou reconstruir sua reputação em equipamentos de desempenho esportivo, assinando uma série de acordos de patrocínio com os principais times do futebol, incluindo o líder da liga alemã, Borussia Dortmund, o italiano Milan e o terceiro colocado na França, Olympique de Marselha.

“Precisamos de um grande clube em cada mercado”, disse ele.

O acordo com o City também inclui clubes irmãos na Austrália, Espanha, Uruguai e China, e vai além do desempenho em campo para a cultura do futebol, em áreas como música, jogos e moda, disse Gulden.

Gulden afirmou, ainda, que as vendas de futebol na Europa provavelmente estagnarão ou serão menores em 2019 após a Copa do Mundo de 2018, mas outros mercados, como China e América Latina, estão crescendo.

Reportagem de Emma Thomasson

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up