June 27, 2019 / 2:41 PM / 4 months ago

Tuítes de Trump aumentam temperatura para duelo EUA x França na Copa do Mundo feminina

PARIS (Reuters) - Poderia facilmente ser a final da Copa do Mundo feminina de futebol: as atuais campeãs e favoritas dos Estados Unidos contra a anfitriã França, em busca do primeiro título mundial.

Jogadora da seleção francesa Amandine Henry em entrevista coletiva em Paris 27/06/2019 REUTERS/Benoit Tessier

Enquanto a Inglaterra enfrenta a Noruega, a Itália joga contra a Holanda e a Alemanha pega a Suécia, o grande duelo das quartas de final do Mundial será entre EUA e França no estádio Parc des Princes, e quem vencer sairá como favorita a levar a taça.

Esta Copa do Mundo quebrou todos os tipos de recordes para o público de televisão em todo o mundo e a partida de sexta-feira deve continuar a tendência, após uma intervenção do presidente dos EUA, Donald Trump, aumentar o interesse no confronto.

Na quarta-feira, Trump mirou na jogadora norte-americana Megan Rapinoe, que disse que não compareceria a uma eventual comemoração do título para a equipe da Casa Branca.

Enquanto a crítica de Trump a Rapinoe levou a declarações de solidariedade de algumas de suas companheiras de equipe, certamente não passará despercebido pelas francesas o fato de que suas adversárias estejam discutindo os planos de comemoração poucas horas antes das quartas-de-final da Copa do Mundo.

Caso a treinadora francesa, Corinne Diacre, precise de algum material adicional para incentivar suas jogadoras, a recente declaração da defensora norte-americano Ali Krieger de que as reservas dos Estados Unidos poderiam derrotar qualquer um dos times na Copa do Mundo certamente seria um.

“Temos a melhor equipe do mundo e a segunda melhor equipe do mundo”, disse ela após a vitória na fase de grupos sobre o Chile. E, apesar de a força do elenco dos EUA ser impressionante, as francesas prometem ser um teste difícil.

As anfitriãs ainda brilharam, tendo precisado da prorrogação para vencer o Brasil com uma vitória de 2 x 1 na rodada anterior, mas têm qualidade para dificultarem a vida das norte-americanas.

“Obviamente, conheço minhas jogadoras de dentro para fora. Sei que não estávamos 100% (contra o Brasil) e o objetivo é atingir esses 100% para o próximo jogo”, disse Diacre.

“Isso vai acontecer? Eu não sei. Eu não tenho uma varinha mágica. Eu não tenho uma bola de cristal. Eu não posso ver o futuro. Mas é algo em que estamos trabalhando.”

Reportagem de Simon Evans

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below