for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Comitê de ética da Fifa inocenta Infantino após investigação

Presidente da Fifa, Gianni Infantino 20/11/2019 REUTERS/Jose Cabezas

ZURIQUE (Reuters) - O comitê de ética independente da Fifa absolveu o presidente da organização, Gianni Infantino, de qualquer suposta violação de seu código, informou a entidade mundial do futebol nesta quarta-feira.

No mês passado, autoridades da Suíça decidiram iniciar um processo criminal contra Infantino para investigar reuniões entre o chefe da Fifa e o procurador-geral suíço, Michael Lauber.

Lauber e Infantino negaram qualquer irregularidade, e este último disse que seu encontro com o procurador foi parte de suas tarefas como presidente do organismo de governança.

O comitê de ética disse que recebeu uma queixa no dia 21 de junho, além de uma documentação de várias autoridades e tribunais administrativos da Suíça.

“Todo este material foi devidamente esmiuçado pela presidência da câmara investigativa no contexto da investigação preliminar”, disse o comitê em um comunicado.

“Com base nas informações disponíveis até o momento, nenhum aspecto da conduta analisado constitui uma violação dos regulamentos da Fifa”, acrescentou.

O comitê disse que algumas partes das queixas “nem se encaixaram nas cláusulas do código de ética da Fifa ou justificam a adoção de qualquer tipo de medida, incluindo aquela de uma suspensão provisória”.

A Fifa disse que, à época das reuniões realizadas em 2016 e 2017, o escritório do procurador-geral estava conduzindo investigações em mais de 20 casos relacionados a um escândalo no qual a Fifa se enredou antes de Infantino ser eleito presidente em 2016.

Reportagem adicional de Hardik Vyas, em Bengaluru

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up