for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Governo britânico adia retorno de torcedores aos estádios do Reino Unido

Liverpool e Manchester City se enfrentam com estádio lotado em novembro de 2019 10/11/2019 Action Images via Reuters/Carl Recine

LONDRES (Reuters) - O governo britânico adiou os planos para o retorno controlado de torcedores aos estádios esportivos como parte das novas restrições anunciadas na terça-feira para enfrentar uma segunda onda de Covid-19.

O governo vinha planejando permitir 25% a 33% da capacidade dos estádios a partir de 1º de outubro, em busca de aumentar a receita dos esportes após meses de estádios vazios.

“Temos que reconhecer que a propagação do vírus está afetando nossa capacidade de reabrir conferências de negócios, exposições e grandes eventos esportivos”, disse o primeiro-ministro Boris Johnson ao Parlamento.

“Portanto, não poderemos fazer isso a partir de 1º de outubro.”

“Reconheço as implicações para nossos clubes esportivos, que são a vida e a alma de nossas comunidades e... o ministro das Finanças e o secretário de Cultura estão trabalhando urgentemente no que podemos fazer agora para apoiá-los.”

O ministro Michael Gove havia dito anteriormente à BBC que, em relação ao retorno dos espectadores, o governo estava estudando “como podemos, no momento, interromper esse programa”.

“Fizemos eventos-teste em alguns locais ao ar livre e queremos, no devido tempo, permitir que as pessoas voltem a assistir ao futebol e outros eventos esportivos, mas é o caso de que precisamos apenas ser cautelosos no momento”, acrescentou ele.

“Acho que uma reabertura em massa nesta fase não seria apropriada.”

Os órgãos dirigentes do esporte já pareciam resignados com o adiamento e estavam preparando um pedido de mais ajuda financeira.

Reportagem de Guy Faulconbridge, Sarah Young, Mitch Phillips e Alan Baldwin

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up