11 de Março de 2008 / às 13:41 / em 10 anos

Federer nega que carreira esteja em declínio

Por Larry Fine

<p>O tenista su&iacute;&ccedil;o Roger Federer devolve bola para o norte-americano Pete Sampras durante partida de exibi&ccedil;&atilde;o no Madison Square Garden, em Nova York. O tenista n&uacute;mero um do mundo, Roger Federer, negou que sua carreira est&aacute; em decl&iacute;nio e disse que usar&aacute; derrotas sofridas recentemente como motiva&ccedil;&atilde;o, ap&oacute;s se recuperar de uma doen&ccedil;a viral. Photo by Mike Segar</p>

NOVA YORK (Reuters) - O tenista número um do mundo, Roger Federer, negou que sua carreira está em declínio e disse que usará derrotas sofridas recentemente como motivação, após se recuperar de uma doença viral.

O jogador suíço perdeu na primeira rodada em Dubai na semana passada diante do britânico Andy Murray, sua primeira partida desde a derrota para Novak Djokovic na semifinal do Aberto da Austrália em janeiro. Djokovic acabou se tornando campeão do torneio. “Na Suíça há um pouco de especulação demais de que minha carreira está acabada”, disse o tenista de 26 anos em entrevista coletiva após a vitória por 6-3, 6-7 e 7-6 sobre o ex-número 1 do mundo Pete Sampras em partida exibição no Madison Square Garden.

“As pessoas simplesmente têm que saber que estou saudável e feliz, e não triste e fora.”

Federer obteve a vitória contra o ex-jogador norte-americano após vencer por 8-6 no tiebreak diante de 19 mil pessoas, entre elas o golfista número um do mundo, Tiger Woods, amigo do suíço.

Federer, que tem 12 títulos de Grand Slams no currículo, disputa a partir desta semana o torneio de Indian Wells, na Califórnia. Após o Aberto da Austrália foram divulgadas notícias de que o jogador estava com mononucleose infecciosa.

“Honestamente, derrotas como essas me motivam mais que qualquer coisa”, disse Federer. “Tentar me recuperar, tentar provar que ainda sou o homem a ser batido.”

As recentes derrotas do tenista suíço lhe tiraram sua aura de invencibilidade e aumentaram as esperanças de jogadores mais jovens que viram Federer reinar como número um do ranking por 215 semanas seguidas.

Faltando dois títulos de Grand Slams para igualar os 14 conquistados por Sampras, Federer disse que sua paixão pelo tênis está maior do que nunca.

“Amo competir nas quadras centrais de todo o mundo. Muitas pessoas ficam felizes quando eu chego lá. Isso me emociona. Adoro treinar mais e mais agora”, disse.

O jogador também anunciou que pretende disputar os Jogos Olímpicos de Pequim em agosto, além de edições futuras dos Jogos.

“Estou ansioso por disputar os Jogos Olímpicos de 2012 (em Londres)”, afirmou.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below