19 de Março de 2009 / às 15:01 / em 9 anos

Milan apoia teto salarial no futebol devido à crise global

ROMA (Reuters) - O presidente-executivo do Milan, Adriano Galliani, propôs que o futebol adote um teto salarial para cortar os custos, uma vez que o esporte tem sofrido os impactos da crise econômica global.

<p>Presidente-executivo do Milan, Adriano Galliani, no est&aacute;dio Atleti Azzurri d'Italia, em Bergamo. 11/11/2007. REUTERS/Alessandro Garofalo</p>

“Acho que seria uma oportunidade para termos um teto salarial, como existe nos Estados Unidos”, disse Galliani ao jornal La Gazzetta dello Sport, desta quinta-feira, citando o exemplo das principais ligas esportivas norte-americanas.

“Existem discussões na Uefa para aplicar esse sistema na Liga dos Campeões mais cedo ou mais tarde.”

Galliani também disse que “os ventos da crise” estão soprando no futebol inglês e espanhol, assim como no italiano, e que o mercado de transferências será afetado.

“Um mercado fraco, apagado, espera por nós, com trocas de jogadores, mas muito pouco dinheiro se movimentando”, acrescentou.

O dirigente reafirmou que o meia Kaká não está à venda, após o jogador ter recusado uma proposta milionária do Manchester City em janeiro, e que o Milan vai comprar um zagueiro e procurar por jogadores baratos no mercado.

Reportagem de Paul Virgo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below