9 de Junho de 2009 / às 01:17 / em 8 anos

Milan precisava fazer sacrifício, diz Kaká sobre ida para Real

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Confirmado como reforço do Real Madrid numa transação estimada em quase 100 milhões de dólares, Kaká afirmou nesta segunda-feira que o Milan precisava do dinheiro oferecido pelo Real Madrid para contratá-lo, após ter sofrido as consequências da crise econômica global.

<p>Jogador brasileiro Kak&aacute; em uma coletiva de imprensa em Recife. 08/06/2009. REUTERS/Sergio Moraes</p>

“O clube precisava fazer esse sacrifício, e eu entendi muito bem. Não culpo o clube por isso”, disse Kaká numa entrevista coletiva no Recife, após o anúncio oficial da contratação feito pelo Real Madrid.

“Não tenho decepção com relação ao Milan. Nunca teve uma crise como esta, o Milan nunca recebeu uma oferta de 100 milhões (de euros) como recebeu em janeiro (do Manchester City). Eu entendo perfeitamente a posição do clube”, acrescentou Kaká, que em janeiro recusou-se a trocar o Milan pelo Manchester City apesar de o clube inglês ter feito a maior oferta da história do futebol por um jogador.

Kaká, de 27 anos, realizou nesta segunda-feira exames médicos no Recife antes de assinar contrato com o Real Madrid por seis anos. O meia está na capital pernambucana com a seleção brasileira para a partida de quarta-feira contra o Paraguai pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2010.

De acordo com Kaká, a transferência, que segundo jornais espanhóis gira em torno de 94 milhões de dólares, já estava fechada há algum tempo, precisando apenas dos exames antes que o contrato fosse assinado.

“Pra mim a novela já tinha acabado há muito tempo. Faltava na verdade os últimos detalhes que eram os exames, que foram feitos nessa manhã. Assim o acordo foi assinado e está sendo concretizada essa negociação”, disse o meia, que foi revelado pelo São Paulo e vendido ao Milan após a Copa do Mundo de 2002, quando sagrou-se campeão com a seleção.

Kaká é a principal contratação do Real Madrid para a próxima temporada, quando o clube terá o desafio de desbancar o Barcelona, atual campeão tanto da Espanha como da Liga dos Campeões.

“Com certeza o Real Madrid vai fazer um time competitivo para que possa voltar a conquistar títulos como é da historia desse clube,” disse o meia, eleito pela Fifa o melhor jogador do mundo em 2007, quando foi campeão da Europa e do Mundo com o Milan.

“Vai ser uma motivação nova para mim. Aos 27 anos, já conquistei tudo que queria como jogador, e essa vai ser uma nova motivação.”

Sobre a camisa que usará no novo time, Kaká disse que não aceitará usar a 5 que foi do francês Zinedine Zidane para evitar as comparações. O meia, que era o 22 do Milan, disse que pode acabar usando a 18, número que usou em um amistoso de 2002 da seleção do mundo contra o Real Madrid, quando acabou marcando um gol contra o time que agora defenderá.

“O numero eu ainda não sei. Respeitando os números que vão estar à disposição vou escolher com calma. Agradeço pelo numero 5, mas acho que o Zidane é o Zidane”, afirmou. “Eu estou chegando agora, vou tentar marcar minha história, mas a história que o Zidane fez já está consagrada e servirá de exemplo para mim.”

Por Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below