30 de Outubro de 2009 / às 14:46 / em 8 anos

Clube admite que Daiane usou substância proibida e culpa CBG

SÃO PAULO (Reuters) - O Clube Pinheiros admitiu nesta sexta-feira que a ginasta campeã do mundo em 2003 Daiane dos Santos, flagrada em exame antidoping, fez uso de substância proibida durante tratamento médico, mas culpou a Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) pelo resultado positivo.

<p>A ginasta Daiane dos Santos participa dos Jogos Ol&iacute;mpicos de Pequim. A ginasta campe&atilde; do mundo em 2003 Daiane dos Santos foi flagrada em um exame antidoping para a subst&acirc;ncia furosemida, encontrada em medicamentos diur&eacute;ticos, informou a Federa&ccedil;&atilde;o Internacional de Gin&aacute;stica (FIG) nesta sexta-feira.17/08/2008.REUTERS/Hans Deryk</p>

Daiane, de 26 anos, foi submetida a um exame fora de competição em julho, informou a Federação Internacional de Ginástica (FIG), e testou positivo para a substância furosemida, encontrada em medicamentos diuréticos. A ginasta, que se recupera de uma cirurgia no joelho, não disputa nenhum torneio desde os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008.

Em nota, o Pinheiros afirmou que o afastamento da ginasta para recuperação foi informado em outubro de 2008 ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e à CBG, que excluiu Daiane da Seleção Brasileira permanente de ginástica, tornando-a inelegível para a realização de exames antidopings.

Segundo o clube, caberia à Confederação notificar a FIG sobre a situação da atleta, a fim de evitar a abertura de procedimento investigatório por uso de substância proibida.

O Pinheiros afirmou também que, entre julho e agosto deste ano, Daiane realizou tratamento de redução de gordura localizada com o uso da substância furosemida e que os medicamentos utilizados estavam relacionados na ficha da atleta.

“Portanto, quando Daiane foi submetida ao teste realizado diretamente pela FIG, em 2 de julho de 2009, encontrava-se em tratamento fisioterápico visando readquirir condições para retornar à prática desportiva”, diz a nota.

A Federação Internacional informou em comunicado que o caso de Daiane foi encaminhado à comissão disciplinar da entidade, que vai julgar o processo. A ginasta tem até o dia 13 de novembro para explicar sua posição.

Após a decisão da comissão disciplinar, a ginasta ainda poderá recorrer ao tribunal de apelação da FIG, acrescentou a nota no site da entidade.

O COB, em nota, lamentou o episódio envolvendo Daiane, mas reafirmou a sua posição de “tolerância zero” ao doping.

Segundo o código da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês), a suspensão indicada para o primeiro caso de doping de um atleta é de dois anos. Em caso de reincidência, a Wada defende a exclusão definitiva do esporte.

A brasileira, especialista nas provas de solo, foi campeã do mundo da modalidade em 2003 em Anaheim, nos Estados Unidos.

Daiane disputou os Jogos Olímpicos de Atenas 2004 e Pequim 2008. Na Grécia, ela chegou como grande favorita ao pódio, mas errou a execução de um salto na final e acabou em 5o lugar. Quatro anos depois, ela voltou à final olímpica e ficou em 6o.

Por Hugo Bachega e Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below