27 de Maio de 2010 / às 14:50 / em 7 anos

Dunga reconhece que Brasil precisa ritmo; mas pode poupar Kaká

Por Pedro Fonseca

<p>O t&eacute;cnico Dunga fala a jornalistas em Johanesburgo, 27 de maio de 2010. Sem jogar desde fevereiro e ainda sem ter realizado nenhum treino t&aacute;tico em quase uma semana de prepara&ccedil;&atilde;o, a sele&ccedil;&atilde;o brasileira vai precisar recuperar ritmo de jogo, mas talvez tenha que poupar Kak&aacute; nos &uacute;nicos dois jogos antes da Copa, disse Dunga. REUTERS/Mike Hutchings</p>

JOHANESBURGO (Reuters) - Sem jogar desde fevereiro e ainda sem ter realizado nenhum treino tático em quase uma semana de preparação, a seleção brasileira vai precisar recuperar ritmo de jogo, mas talvez tenha que poupar Kaká nos únicos dois jogos antes da Copa, disse o técnico Dunga nesta quinta-feira.

Horas após desembarcar na África do Sul, nesta quinta-feira, o treinador rompeu o silêncio que mantinha desde a apresentação da equipe, na semana passada, e reconheceu que o time precisa voltar a jogar junto logo para ganhar entrosamento.

Entretanto, mais uma vez os jogadores ficam longe da bola, e a programação do dia prevê apenas uma atividade na academia montada no hotel The Fairway, em Johanesburgo, onde a equipe ficará concentrada durante o Mundial.

Dunga, em seu primeiro contato com os jornalistas que vão acompanhar a seleção na Copa, alegou que o time precisa jogar junto ao defender os amistosos preparatórios que o Brasil fará contra Zimbábue e Tanzânia.

Os dois times africanos, que não figuram nem entre os 100 primeiros do ranking mundial, foram os únicos adversários que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) conseguiu agendar amistosos antes da Copa.

“Temos que colocar o time para jogar, até para gente fazer algumas correções. O ultimo jogo que a seleção fez foi há muito tempo e os jogadores em seus clubes jogam em funções diferentes, então é importante colocar esse time para jogar junto para conquistar de novo um entrosamento,” afirmou o treinador.

A seleção brasileira fez apenas um jogo no ano, uma vitória por 2 x 0 sobre a Irlanda em fevereiro, e desde então ainda viu seu principal homem de criação, Kaká, sofrer uma sequência de lesões.

Além disso, o atacante Adriano, que foi titular contra os irlandeses, não está no grupo da Copa, e seu substituto, Grafite, jogou apenas parte do segundo tempo daquela partida com a seleção.

“Temos que recuperar a parte coletiva da seleção, já que faz algum tempo que a gente não joga juntos. Marcação, cobertura, saída de bola... temos que aprimorar esse tipo de lances”, acrescentou o treinador, que deve realizar o primeiro treino tático da seleção apenas na sexta-feira.

Sobre Kaká, que se apresentou ao time com uma lesão muscular na coxa esquerda, mas foi considerado recuperado pela comissão técnica antes da viagem para a África do Sul, o treinador afirmou que ainda vai avaliar a participação do meia nos amistosos.

“Como ele ficou um bom tempo sem treinar, com lesões, é normal que ele não esteja nas mesmas condições dos demais”, disse Dunga. “Vamos avaliar com o Kaká como ele estará para essas partidas.”

Nesta quinta-feira time ficou pela primeira vez completo, com a chegada de Maicon e Lúcio, que foram liberados para se apresentar diretamente em Johanesburgo após a conquista do título da Liga dos Campeões com a Inter de Milão no último fim de semana

O Brasil, que estreia na Copa contra a Coreia do Norte no dia 15 de junho, enfrentará o Zimbábue no dia 2 e a Tanzânia cinco dias depois. Os jogos serão realizados nos dois países africanos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below