30 de Junho de 2010 / às 14:35 / 7 anos atrás

Presidente da federação de futebol da França admite fracasso

Por Dimitri Rahmelow

<p>Foto de arquivo de Escalettes em Knysna. O presidente da Federa&ccedil;&atilde;o Francesa de Futebol (FFF), Jean-Pierre Escalettes, se sentiu impotente contra a rebeli&atilde;o da sele&ccedil;&atilde;o na Copa do Mundo e isso o levou a se demitir, disse ele nesta quarta-feira.19/06/2010.REUTERS/Charles Platiau/Files</p>

PARIS (Reuters) - O presidente da Federação Francesa de Futebol (FFF), Jean-Pierre Escalettes, se sentiu impotente contra a rebelião da seleção na Copa do Mundo e isso o levou a se demitir, disse ele nesta quarta-feira.

Escalettes, que se demitiu o cargo na segunda-feira na esteira do fiasco francês no Mundial, declarou a uma comissão parlamentar que não pôde fazer nada para impedir que os jogadores boicotassem um treino em apoio ao atacante Nicolas Anelka, mandado para casa após insultar o técnico Raymond Domenech.

O chefe da federação, 75 anos, disse à comissão ter tentado convencer os atletas no ônibus do time que se recusar a treinar não era uma boa ideia.

Os jogadores, eliminados do torneio com somente um ponto e um gol marcado, não cederam e mantiveram a paralisação para protestar contra a decisão da FFF de expulsar Anelka.

Escalettes e Domenech, que também está entregando o cargo, disseram à comissão ter feito o máximo para argumentar com a equipe rebelada.

“Ele (Escalettes) nos disse que eles (Escalettes e Domenech) usaram todos os argumentos concebíveis em vão”, informou Lionel Tardy, membro da comissão, a repórteres após a audiência desta quarta-feira, realizada a portas fechadas.

“Escalettes nos disse que enfrentaram um muro (de resistência), algo que jamais havia vivido em 50 anos de experiência no futebol, e que não conseguiram derrubar esse muro”, acrescentou. “Para ele, algo se partiu naquele dia.”

Escalettes também foi criticado por sempre ter apoiado Domenech durante seus seis anos à frente da equipe francesa.

Domenech, cuja falta de autoridade e visão foram expostas no Mundial, disse à comissão que o diário esportivo L‘Equipe contribuiu para a crise estampando os insultos de Anelka em sua primeira página.

NAS MANCHETES

As ofensas foram murmuradas pelo atacante no intervalo da derrota francesa por 2 x 0 para o México no segundo jogo da fase de grupos. Dois dias depois o jornal francês publicou a história e no mesmo dia Anelka foi mandado de volta para a França por ter se recusado a pedir desculpas.

“Domenech nos disse que a manchete foi o que começou tudo”, afirmou Tardy. “Ele disse que, se não fosse por isso, teria sido capaz de lidar com a situação.”

Escalettes e Domenech evitaram a mídia nesta quarta-feira usando uma porta nos fundos para entrar no edifício da Assembleia Nacional em Paris e saíram com a mesma discrição duas horas depois.

Eles não fizeram nenhum comentário antes ou depois da audiência, que deveria ter sido pública, mas acabou ocorrendo a portas fechadas a pedido da FFF.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below