1 de Fevereiro de 2012 / às 20:33 / em 6 anos

Tumulto em estádio mata mais de 70 pessoas no Egito

Por Dina Zayed

Um torcedor corre de um incêndio num estádio no Cairo, no Egito, nesta quarta-feira. 01/02/2012 REUTERS/Stringer

CAIRO, 1 Fev (Reuters) - Pelo menos 73 pessoas morreram e mais de mil ficaram feridas na quarta-feira num tumulto ocorrido durante um jogo de futebol em Port Said, no Egito. Autoridades disseram que foi o mais grave incidente na história do futebol egípcio.

A violência nos estádios do norte da África tem aumentado significativamente nos últimos meses, refletindo a turbulência política que varre a região, e um jogador descreveu a invasão do gramado na quarta-feira como “uma guerra”.

Políticos e dirigentes esportivos criticaram a falta de segurança no jogo entre Al Masry e Al Ahli, um dos principais clubes do país, e acusaram os governantes de permitirem - ou até causarem - a tragédia.

O tumulto começou quase no final da partida, quando o Al Masry, mandante do jogo, vencia por 3 x 1.

“Isso é lamentável e profundamente triste. É o maior desastre na história futebolística do Egito”, disse o vice-ministro da Saúde, Hesham Sheiha, à TV estatal.

Testemunhas disseram que o tumulto começou depois que torcedores do Al Ahli abriram cartazes ofendendo Port Said, e um deles entrou no campo com uma barra de ferro. A torcida do Al Masry reagiu invadindo o gramado e agredindo os atletas do Al Ahli, e depois voltaram às arquibancadas para bater em torcedores rivais.

A maioria das mortes foi de pessoas pisoteadas pela multidão ou que caíram das arquibancadas, segundo testemunhas.

A TV transmitia a partida ao vivo e mostrou torcedores correndo pelo gramado atrás de atletas do Al Ahli. Alguns policiais formaram um corredor para tentar proteger os jogadores, mas aparentemente foram dominados pelos torcedores, que continuaram chutando e socando os atletas em fuga.

“Isso não é futebol. É uma guerra, e as pessoas estão morrendo na nossa frente. Não há movimento, não há segurança e não há ambulâncias”, disse Mohamed Abo Treika, jogador do Al Ahli, ao canal de TV do clube.

“Proponho que o campeonato seja cancelado. Essa é uma situação horrível, e o dia de hoje pode ser esquecido.”

A TV estatal disse que a Federação Egípcia de Futebol suspendeu por tempo indeterminado os jogos da primeira divisão do país.

O marechal Mohamed Hussein Tantawi, chefe da junta militar que governa o Egito, determinou o envio de dois helicópteros a Port Said para retirar jogadores e torcedores do Al Ahli, segundo fontes militares.

O deputado Albadry Farghali, que representa a cidade, acusou as autoridades e forças de segurança de permitirem o desastre, e disse que elas ainda têm ligações com o governo do presidente Hosni Mubarak, deposto há um ano numa rebelião popular.

“As forças de segurança fizeram isso ou deixaram acontecer. Os homens de Mubarak ainda estão dominando. O chefe do regime caiu, mas todos os seus homens ainda estão nas suas posições”, afirmou ele, aos berros, num telefonema a uma TV. “Cadê a segurança? Cadê o governo”, cobrou.

Uma fonte médica e testemunhas disseram que há vários policiais entre os mortos. Hospitais em toda a zona do canal de Suez foram colocados de prontidão, e dezenas de ambulâncias foram das cidades de Ismailia e Suez para Port Said, segundo fontes locais.

No Cairo, outro jogo foi interrompido quando o árbitro recebeu a notícia da tragédia, e isso levou os torcedores a incendiarem parte do estádio, conforme mostrou a TV egípcia.

Reportagem adicional de Ali Abdelatti, Yasmine Saleh, Shaimaa Fayed e Patrick Werr no Cairo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below