15 de Julho de 2012 / às 15:43 / em 5 anos

Segurança da Olimpíada não está ameaçada, dizem organizadores

Por Michael Holden

Guardas contratados pela G4S são vistos almoçando perto do Estádio Olímpico no Parque Olímpico, em Stratford, em Londres. A Olimpíada de Londres não está ameaçada pela incapacidade d a G4S de recrutar funcionários suficientes, disseram ministros e o chefe do comitê organizador da cidade neste domingo, tentando apaziguar uma tormenta política às vésperas da chegada dos atletas. 14/07/2012 REUTERS/Andrew Winning

LONDRES, 15 Jul (Reuters) - A Olimpíada de Londres não está ameaçada pela incapacidade de uma grande empresa de segurança de recrutar funcionários suficientes, disseram ministros e o chefe do comitê organizador da cidade neste domingo, tentando apaziguar uma tormenta política às vésperas da chegada dos atletas.

Três dias atrás, o governo anunciou que irá convocar 3.500 tropas adicionais depois que a empresa G4S admitiu ser improvável treinar a tempo os seguranças que prometeu sob o contrato de 284 bilhões de libras (442 bilhões de reais).

A notícia, duas semanas antes do início dos Jogos, em 27 de julho, desencadeou temores com a segurança de atletas e espectadores e com a possibilidade de longas filas para passar pelo sistema de segurança a caminho dos locais das competições.

“(A segurança) não está comprometida”, disse o presidente do comitê organizador da Olimpíada de Londres, Sebastian Coe, à rádio BBC.

“Não se trata de números. Se trata simplesmente de uma combinação. Teremos jogos seguros. Se eu preferiria não ter que lidar com isso faltando duas semanas? É claro”.

A segurança tem encabeçado a lista de preocupações dos organizadores desde que quatro britânicos islâmicos mataram 52 pessoas em ataques suicidas com bomba na capital um dia após Londres conquistar a vaga olímpica em 2005. No mês passado, Jonathan Evans, chefe do MI5, a agência de inteligência inglesa, alertou que a Olimpíada representa um alvo atraente.

Enquanto autoridades veteranas dizem não haver nada que indique que um ataque esteja sendo planejado, detectaram-se falhas no aparato de segurança antes da chegada dos milhares de atletas e autoridades na segunda-feira.

Neste domingo, o jornal The Observer citou uma autoridade de fronteira anônima segunda a qual suspeitos na lista do governo estão tendo ingresso à Grã-Bretanha sem a devida verificação porque recrutas inexperientes estão sendo empregados nas fronteiras.

O inspetor-chefe independente de fronteiras, John Vine, alertou que funcionários que só têm treinamento básico e fazem menos perguntas foram convocados para lidar com as imensas filas no controle de passaportes do aeroporto de Heathrow, nos arredores de Londres.

Mas um porta-voz da Força de Fronteira disse que a inspeção de Vine mostrou que seu pessoal até plenamente ciente das verificações que deve fazer.

“Toda a equipe de contingência destacada para a fronteira foi totalmente treinada e tem apoio de oficiais experientes da Força de Fronteira”, disse ele.

A operação de segurança, a maior já realizada na Grã-Bretanha em tempos de paz, está em plena atividade, envolvendo todos os setores das forças armadas, dos serviços especiais ao maior navio de guerra da Marinha, o HMS Ocean, atracado no rio Tâmisa.

Restrições no espaço aéreo sobre Londres e a maior parte do sudeste da Inglaterra foram implantadas no sábado, com jatos da Força Aérea Real de prontidão para abater qualquer aeronave caso seja necessário.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below