17 de Julho de 2012 / às 21:44 / em 5 anos

ENTREVISTA-Bimba leva peso da experiência e do corpo para windsurf em Londres

Por Pedro Fonseca

Ricardo Winicki, o Bimba, que participará de sua quarta Olimpíada em Londres, treina no Rio de Janeiro em julho de 2007. Foto de arquivo. REUTERS/Sergio Moraes

RIO DE JANEIRO, 17 Jul (Reuters) - A batalha contra a balança do velejador Ricardo Winicki vai na contramão daquela travada pelos demais atletas. O campeão mundial de prancha à vela de 2007 se empenha para competir em Londres com quase 10 quilos a mais do que em Atenas-2004, quando deixou uma medalha olímpica escorrer por entre os dedos.

Bimba, o apelido de infância desse carioca de 32 anos que vai participar da quarta Olimpíada, espera encontrar condições de ventos fortes na raia de Weymouth, onde serão disputadas as provas de iatismo dos Jogos de Londres. Segundo ele, quanto mais pesado estiver mais velocidade conseguirá dar à sua prancha RS:X.

“Os mais fortes foram começando a levar vantagem, a gente viu que o cara mais pesado ganhava no vento forte e também tinha muito mais força para bombear a vela do que os levinhos”, disse em entrevista à Reuters o velejador, que competiu em Atenas com 67 quilos e comemorou ter chegado aos 77 quilos na preparação para Londres.

“Eu perco peso muito rápido, não tenho muito apetite, não sou guloso, e sempre queimando muita caloria (mais de 4 mil calorias por dia só nos treinos). Tem o lado ruim de você ter que comer forçado, isso não é nada agradável, mas também não precisa se preocupar e o que aparecer na sua frente você pode comer”, acrescentou.

Quando Bimba competiu em Atenas, com 24 anos, a prancha à vela era disputada na classe Mistral --mais lenta no vento forte e mais rápida no vento fraco-- e os atletas mais leves levavam vantagem, o que sempre foi bom para o brasileiro.

Os Jogos de Pequim já foram disputados com as pranchas RS:X, maiores e voltadas para os ventos fortes, mas a condição de falta de ventos diminuiu a importância do porte físico dos velejadores, ao contrário do que se espera para Londres.

“Um mês atrás consegui bater 77(quilos)... ainda tem a tensão da viagem, o avião um tempão que acaba perdendo peso, então acho que 76 agora para estar competindo com 74 está de bom tamanho. Ainda tem a orgia alimentar da Vila Olímpica”, afirmou Bimba, após sua última velejada no Rio antes do embarque, nesta terça-feira à noite, para a Inglaterra.

“NÃO EXISTE JÁ GANHOU”

Dez quilos mais pesado, oito anos mais experiente e várias vitórias depois --incluindo o título mundial de 2007 em Portugal e as medalhas de ouro nos Jogos Pan-Americanos de 2003, 2007 e 2011--, Bimba ainda não consegue esquecer aquele dia 25 de agosto de 2004.

Naquele tarde, o velejador entrou na última regata dos Jogos Olímpicos de Atenas na liderança da prova de prancha à vela e só não podia ficar abaixo de 15o para garantir um lugar no pódio. Pois foi o que aconteceu.

Bimba chegou em 17o, terminou a Olimpíada em quarto lugar, e aprendeu uma lição para a vida toda: “Não entrar na água achando que já ganhou.”

“Muito gente disse que eu amarelei, eu não vejo como isso, o que faltou foi medo de perder. Eu entrei na água tranquilo demais e não existe já ganhou nesse nível”, lamenta ainda hoje o velejador, que também ficou a poucos passos do pódio nos Jogos da China, terminando em 5o.

Os Jogos de Londres serão talvez a última oportunidade para Bimba corrigir os erros do passado. A Federação Internacional de Vela decidiu substituir a prancha à vela pelo kitesurf na Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro, modalidade que o velejador pratica apenas ocasionalmente e não sabe se terá condições de se manter entre os melhores do mundo.

Bimba acredita que, se a mudança for ratificada em novembro pela federação em uma nova votação, a maioria dos atletas da prancha à vela vai fazer a mudança. Ele garante estar disposto a tudo para disputar os Jogos Olímpicos em sua cidade, mesmo que isso represente “virar uma página e começar um desafio novo com uma nova adrenalina”.

“Pode ter certeza que eu vou treinar muito. O objetivo é estar na Olimpíada do Rio em 2016 seja de kite, de windsurf, de barco à vela, ou qualquer coisa”, disse Bimba, que planeja competir até os 40 anos e disputar os Jogos Olímpicos de 2020.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below