27 de Julho de 2012 / às 22:14 / em 5 anos

Ex-funcionária de Wall Street troca finanças por ciclismo

Por Julien Pretot

LONDRES, 27 Jul (Reuters) - Quatro anos atrás, a ciclista norte-americana Evelyn Stevens trabalha em um banco de investimento em Nova York, mas algumas voltas de bicicleta no Central Park a convenceram a largar a carreira em Wall Street e se profissionalizar.

“Mudei-me para Nova York quando me formei em administração. Corria no Central Park, era muito dedicada, mas não pensava que estaria competindo em nível profissional no futuro próximo”, disse a ciclista de 29 anos à Reuters em entrevista dois dias antes da prova.

“Minha irmã me apresentou ao ciclismo após o Dia de Ação de Graças de 2007 e eu me apaixonei”.

“Ficava sentada em um escritório, com roupa social, bebericando café, pegando o metrô. Era uma cultura na qual eu não estava florescendo.”

Conhecida como Evie, Stevens agora coleciona medalhas, e não somente os “agrados” que recebia quando fechava um acordo.

Stevens, que teve um emprego no Lehman Brothers, acolhe a mudança em sua vida, tendo abandonado as carteiras de investimento pouco depois da crise financeira de 2008.

“Em Nova York havia essa negatividade, eu sentia”, disse ela, que usou parte do dinheiro que ganhou em Wall Street como rede de segurança para sua nova carreira.

“Minha qualidade de vida aumentou. Meu estilo de vida é muito melhor”.

“Eu tinha economias, e não sou do tipo que sai e compra uma bolsa de dez mil dólares. Consegui economizar com meus bônus”, lembrou.

“Dá a você mais possibilidades, mais liberdade. Eu sabia que ficaria bem, tinha uma rede de segurança”.

De fato, ela fez a maior compra de sua vida ao adquirir sua primeira bicicleta.

“Eu tinha uma bicicleta bem básica, que me custou mil dólares. Na época pensei ‘nossa, gastei mil dólares em uma bicicleta, o maior gasto que já fiz’”, disse Stevens, que deve agradecimentos à Associação Century Road (CRCA, na sigla em inglês) de Nova York, que organiza corridas às cinco da manhã, antes que o Central Park abra, para sua mudança de carreira.

“Eu jamais teria começado a disputar se não fosse pelo programa da CRCA”, explicou ela, lembrando sua primeira prova matutina em 2008, antes de vencer a disputada corrida da Union Vale, no sul de Nova York.

Na ocasião ela foi descoberta por Bob Stapleton e convidada para o já desaparecido time HTC Columbia.

Estar na Oimpíada depois de vencer o clássico Fleche Wallonne e conquistar dois títulos nacionais seria o suficiente para muitos, mas não para Stevens.

“Quero continuar a ampliar meus limites”, disse ela.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below