11 de Agosto de 2012 / às 16:07 / em 5 anos

Brasil perde para o México e segue sem ouro olímpico no futebol

Por Pedro Fonseca

O brasileiro Lucas lamenta enquanto jogadores do México comemoram a medalha de ouro no futebol dos Jogos de Londres. REUTERS/Toru Hanai

LONDRES, 11 Ago (Reuters) - Parecia ser a melhor chance para o Brasil finalmente acabar com o tabu de jamais ter conquistado uma medalha de ouro no futebol em Jogos Olímpicos, mas acabou em nova decepção com uma derrota por 2 x 1 para o México na final dos Jogos de Londres, disputada em Wembley, neste sábado.

Considerados os maiores rivais do Brasil na busca pelo ouro, Espanha e Uruguai ficaram pelo caminho e o time do México, desfalcado de Giovani dos Santos, um de seus principais jogadores, não estava cotado para bater Neymar, Oscar e outros. Mas, a exemplo do time principal, o México mais uma vez causou problemas para o Brasil.

“Era uma chance única para todos porque daqui a quatro anos quase ninguém vai ter idade de disputar uma Olimpíada de novo. Perdemos uma chance de conquistar o ouro”, disse após a partida o atacante Neymar, símbolo da geração e um dos mais abatidos entre os brasileiros no 2o degrau do pódio.

Essa foi a terceira derrota em três presenças do Brasil numa final olímpica, após ficar com a prata também em Los Angeles-1984 (2 x 0 para a França) e Seul-1988 (2 x 1 para a União Soviética). O Brasil ainda tem dois bronzes, em Atlanta-1996 e Pequim-2008.

“Pela minha fisionomia não é difícil de analisar como estou me sentindo muito triste, porque fizemos um excelente trabalho até chegarmos na partida final, o que nos permitia uma grande confiança que poderíamos conquistar finalmente a medalha de ouro para o futebol brasileiro, mas não conseguimos”, lamentou o técnico Mano Menezes após a partida, que encerrou uma sequência de 5 vitórias da equipe em 5 jogos na Olimpíada até então.

Com menos de 30 segundos de jogo o Brasil já estava perdendo em Wembley.

Rafael, que segurou demais a bola, ficou preso pela marcação mexicana na lateral direita e fez um passe apertado para Sandro, que não conseguiu dominar e deixou Javier Aquino desviar. Oribe Peralta pegou a sobra, avançou, e bateu da entrada da área, no canto do goleiro Gabriel, para marcar o gol.

O Brasil levou tempo até conseguir encaixar um primeiro ataque, dando sinais de nervosismo com a desvantagem. Só conseguiu chutar ao gol adversário aos 19 minutos, numa jogada de Leandro Damião pela esquerda finalizada dentro da área por Oscar. O goleiro Jesús Corona encaixou.

HULK

Assim como na semifinal contra a Coreia do Sul, o técnico Mano Menezes barrou o meia-atacante Hulk --um dos três jogadores com mais de 23 anos-- e escalou em seu lugar Alex Sandro, que tem mais característica de marcação.

Logo aos 31 minutos, o treinador foi obrigado a reverter a mudança e colocou Hulk em campo para tentar mudar o quadro da partida. Num chute dele de fora da área, Corona espalmou e Damião chegou no rebote, obrigando o goleiro a outra defesa.

O final do primeiro tempo deu esperança aos brasileiros para a segunda etapa. Em três oportunidades o Brasil teve chances de empatar, com finalizações de Marcelo, Hulk e Neymar, transformando a maior posse de bola em lances de perigo para o gol adversário.

O início do segundo tempo foi no mesmo ritmo e com menos de três minutos Hulk já tinha sofrido, e cobrado com perigo, uma falta na entrada da área e Neymar arriscado um chute de fora da área.

Mais solto, o atacante do Santos conseguiu em dois lances mostrar o brilho que fez dele a estrela do futebol brasileiro, com dribles desconcertantes. Após um deles, levou falta violenta por trás de Israel Jiménez, que recebeu cartão amarelo. No geral, porém, Neymar teve uma atuação bem abaixo de suas possibilidades.

Apesar de o domínio da posse de bola ser brasileiro, o México por muito pouco não ampliou a vantagem após outro erro individual da defesa do Brasil. O capitão Thiago Silva perdeu a bola dentro da área para Marco Fabian, que acertou o travessão na sequência com um chute por cobertura.

“Obviamente não apagamos falhas individuais e nem há necessidade disso, mas também nossa maior falha individual foi a 30 segundos e tivemos 89 minutos a mais para reverter e não conseguimos. Perdemos todos e não apenas um”, afirmou o treinador.

Assim como no início do jogo, os jogadores do Brasil voltaram a mostrar nervosismo, precipitando as jogadas, enquanto o relógio se aproximava do final da partida. Aos 25 minutos, Mano arriscou ao colocar Alexandre Pato no lugar do volante Rômulo.

Mas não teve jeito. Quatro minutos depois, após uma cobrança de falta, Peralta subiu completamente livre no meio da área e cabeceou para o gol: 2 x 0.

O Brasil ainda diminuiu com Hulk, que tocou na saída do goleiro mexicano após lançamento longo aos 46 minutos. No último lance de ataque, Hulk, o melhor do time brasileiro, cruzou para Oscar, que, dentro da pequena área tocou de cabeça para fora, e o Brasil continua sem conquistar uma medalha olímpica de ouro no futebol.

“Tem dia que a bola ano entra”, disse Hulk. “Quando se toma um gol no começo muda a história do jogo. Menos de um minuto levamos o gol, tentamos reagir e tomamos outro.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below