4 de Junho de 2013 / às 13:58 / em 4 anos

Espanha tentará preencher no Brasil único vazio na sala de troféus

Por Iain Rogers

Seleção nacional de futebol da Espanha celebra em cima de um ônibus diante dos torcedores após a conquista da Euro 2012, em Madri. A Copa das Confederações está longe de ser o torneio mais importante do mundo, mas a Espanha está ansiosa para completar sua sala de troféus após a conquista da Copa do Mundo e da Eurocopa. 2/07/2012. REUTERS/Javier Barbancho

MADRI, 4 Jun (Reuters) - A Copa das Confederações está longe de ser o torneio mais importante do mundo, mas a Espanha está ansiosa para completar sua sala de troféus após a conquista da Copa do Mundo e da Eurocopa.

O país se tornou o primeiro a ganhar dois títulos europeus seguidos com uma Copa do Mundo no meio, e jogadores como Xavi, Iker Casillas e Fernando Torres continuam sempre famintos pelo sucesso.

O triunfo da Espanha na Euro-2008 encerrou 44 anos de doloroso fracasso desde a vitória na Eurocopa de 1964 e, agora, a seleção espanhola está empenhada em ganhar a Copa das Confederações no Brasil, na segunda tentativa após ter ficado bem perto do título na África do Sul, em 2009.

Outro sucesso da “Roja” vai ajudar a levantar uma nação afetada pela estagnação econômica e alto desemprego, onde o esporte é um dos poucos temas reluzentes nos noticiários diários.

“É uma competição que a Espanha não ganhou e é por isso que a estamos encarando com muito entusiasmo para jogar bem e levar o troféu”, disse na segunda-feira o meia Andrés Iniesta, que marcou o gol da vitória na final da Copa do Mundo de 2010.

Na primeira competição tendo à frente o técnico Vicente del Bosque, a Espanha passou pela fase de grupos da Copa das Confederações em 2009 --o torneio de aquecimento para a Copa do Mundo-- batendo a Nova Zelândia, o Iraque e a África do Sul sem sofrer nenhum gol.

Uma possível final contra o Brasil se aproximava, mas eles foram surpreendidos por uma derrota para os Estados Unidos por 2 x 0 nas semifinais.

Desta vez a Espanha está no Grupo B, com o Uruguai, Taiti e Nigéria e começa a sua campanha contra o Uruguai em 16 de junho, no Recife. O Grupo A é composto por Brasil, Japão, México e Itália.

BOA SORTE

O zagueiro Sergio Ramos, um dos 12 jogadores do elenco atual que venceu as duas últimas Euros e a Copa do Mundo, disse que todo mundo na seleção espanhola está determinado a preencher a única lacuna na sala de troféus do país.

“Temos a grande sorte de ter uma equipe fantástica”, disse Ramos a repórteres, no encontro com seus companheiros de equipe em Madri, nesta terça-feira.

“Esta será uma nova experiência e um objetivo que nós gostaríamos de alcançar neste verão (europeu).”

Ramos disse que a meta principal da Espanha é chegar à final, onde poderia vir a jogar contra o Brasil no Maracanã, no Rio de Janeiro, em 30 de junho.

“Nós somos os dois favoritos, mas tudo pode acontecer”, disse.

“Você tem que saber perder e estar preparado para saber como ganhar. Vamos tentar fazer as coisas bem, pois é isso que sempre nos trouxe o sucesso.”

A seleção da Espanha viaja para os Estados Unidos nesta terça-feira para amistosos contra o Haiti, em Miami, no sábado, e a Irlanda, em Nova York, três dias depois.

Reportagem de Mark Meadows

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below