1 de Outubro de 2013 / às 22:44 / 4 anos atrás

Justiça do Trabalho embarga obras do estádio de Curitiba para Copa

SÃO PAULO, 1 Out (Reuters) - A juíza Lorena de Mello Rezende Colnago, da 23ª Vara do Trabalho de Curitiba, determinou nesta terça-feira o embargo imediato das obras no estádio Arena da Baixada, o que pode atrasar ainda mais a reforma para a Copa do Mundo de 2014.

A decisão foi baseada em um relatório, segundo o qual foi demonstrado “o grave risco de soterramento de trabalhadores, atropelamento e colisão, queda de altura e projeção de materiais, dentre outros graves riscos”, informou o Tribunal Regional do Trabalho do Paraná.

O relatório foi elaborado pelo Grupo Móvel de Auditoria de Condições de Trabalho em Obras de Infraestrutura do Ministério do Trabalho e Emprego (GMAI), o que motivou uma ação civil pública pelo Ministério Público do Trabalho.

“Consultando os autos, verifica-se a existência de inúmeros autos de infração, em várias fases da obra”, escreveu a juíza, que determinou multa diária de 500 mil reais em caso de desobediência.

“Após a implementação das medidas de segurança pela ré, condiciono a liberação da obra à nova fiscalização do GMAI atestando a regularização do meio ambiente do trabalho.”

O Clube Atlético Paranaense, dono da arena, informou na última sexta-feira que “desde o dia 17 deste mês (setembro), quando iniciou a inspeção do GMAI, acolheu e implementou diversas correções em tempo recorde, tornando a construção mais segura”.

O estádio Arena da Baixada está sendo reformado para o Mundial do ano que vem e tem previsão de entrega para dezembro deste ano. Segundo o clube, a arena chegou a 78,9 por cento de conclusão no final de agosto.

A arena, que vai receber quatro jogos da Copa, todos pela primeira fase, é motivo de preocupação dos organizadores da competição.

Em agosto, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, visitou o estádio e ficou acertado com o Atlético Paranaense que o local não terá uma cobertura retrátil na Copa, como havia planejado o clube, para não atrasar o andamento dos trabalhos.

“Tivemos uma discussão sobre a situação de Curitiba, se estaria pronta, e aí fizemos um pedido para a cidade e o clube de adiar a cobertura retrátil para que o estádio esteja pronto para a Copa”, afirmou Valcke na ocasião, acrescentando que a cobertura retrátil não era um requisito da Fifa para o estádio.

A entidade que controla o futebol mundial estabeleceu dezembro deste ano como prazo para a entrega dos 12 estádios da Copa e disse que não vai tolerar atrasos, como os que ocorreram na Copa das Confederações, em junho passado.

Por Tatiana Ramil

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below