8 de Maio de 2014 / às 17:18 / em 4 anos

Ribéry relembra mazelas do passado da França, às vésperas de 3o Mundial

PARIS, 8 Mai (Reuters) - Uma mente atormentada na última Copa do Mundo e um homem calmo e moderado dois anos depois na Euro, o francês Frank Ribéry agora se assume exatamente da forma que o consagrou como um dos melhores jogadores na Europa: um despreocupado atleta que só se diverte jogando futebol.

O ponta do Bayern de Munique entrou prematuramente sob os holofotes na Copa de 2006, ocasião em que, sob a liderança de Zinedine Zidane, era apenas um jovem talento em uma seleção de jogadores mais velhos, e acabou marcando um lindo gol diante da Espanha nas oitavas de final.

Ribéry, que carrega consigo cicatrizes de um acidente de carro com seus pais de quando tinha apenas 2 anos de idade, foi incluído de última hora na lista de Raymond Domenech e Zidane rapidamente se rendeu ao seu talento, chamando-o de “jóia do futebol francês”.

A jóia, no entanto, ainda era um diamante em estado bruto e custou alguns anos para ser lapidado. Hoje, Ribéry está no auge e comanda a sua seleção em sua terceira Copa do Mundo.

O homem do norte da França, que foi preparado para ser um grande jogador no Bayern desde 2006, parece ter enterrado de vez o fantasma que poderia ter destruído sua carreira.

2010 foi um ano ruim para o craque francês, ele foi investigado, e posteriormente julgado, por manter relações sexuais com uma prostituta menor de idade em Paris, pouco antes da Copa do Mundo. A absolvição só ocorreu em janeiro de 2014.

O escândalo, no entanto, afetou diretamente o craque do Bayern de Munique na Copa da África do Sul, e a infame greve decretada pelos jogadores durante a competição não mudou muito a imagem de seu principal jogador.

Ribéry foi uma das principais caras do motim, aparecendo em um dos principais programas de televisão da França.

“Desde a Euro 2008 eu tenho sofrido na seleção da França. Todo time desde então tem tido problemas”, disse ele, enquanto defendia o atacante Nicolas Anelka, expulso do time por ter insultado o então técnico Domenech.

Em sua volta ao Stade de France depois de uma suspensão de três partidas, Ribéry foi vaiado, embora também tenha tido seu nome gritado por parte do estádio, como se a torcida estivesse dividida em relação à sua volta.

Na Euro 2012, no entanto, Frank Ribéry foi o melhor jogador de um time apenas mediano, mas bastou Didier Deschamps assumir o comando no lugar de Laurent Blanc para o craque recuperar seu estilo alegre e despreocupado, típico de quem já foi capaz de derrubar um balde d‘água no célebre ex-goleiro do Bayern Oliver Kahn apenas pela farra.

Por Julien Pretot

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below