8 de Maio de 2014 / às 16:28 / em 4 anos

Robben quer se redimir por derrota da Holanda na final do Mundial de 2010

Por Philip O‘Connor

8 Mai (Reuters) - Quatro anos após a derrota para a Espanha na final da Copa da África do Sul, o holandês Arjen Robben viaja ao Brasil no auge, depois de lidar com alguns dos demônios que o assombraram no início da carreira.

Visto outrora como sinônimo de problemas físicos --de estiramentos do tendão a uma ameaça de câncer de testículo--, egoísmo e finalizações desperdiçadas, o jogador de 30 anos deixou de ser um talento precoce e cru e se transformou em um dos jogadores fundamentais do poderoso Bayern de Munique.

“Foi uma boa temporada”, disse Robben à televisão alemã sobre seu papel na conquista do título do Campeonato Alemão com o Bayern com várias rodadas de antecedência.

“Mantive a forma o ano todo, e quando estou em forma dou tudo de mim.”

A ida de Robben para o Bayern em 2009 ajudou a dissipar a maior parte das críticas que assolaram seu início de carreira na Inglaterra e na Espanha.

Apesar de conquistar títulos nacionais com o Chelsea e o Real Madrid, Robben nunca se mostrou à altura da fama de ser um dos atacantes mais empolgantes do mundo.

Seu truque característico de cortar pela direita para disparar um petardo com a canhota muitas vezes terminou ridicularizado por torcedores, já que na maioria das vezes a bola passava muito acima do travessão ou longe da trave.

Mas a ida para o Bayern e a entrada de Pep Guardiola, ex-técnico do Barcelona, no comando do time em 2013 o fez melhorar imensamente. Com um Robben em forma conduzindo o show, o Bayern se impõs ao longo de 2013 dentro e fora da Alemanha.

Depois de perder um pênalti na final da Liga dos Campeões de 2012 diante do Chelsea, Robben se redimiu no ano passado, marcando o gol da vitória no final da partida com o Borussia Dortmund em Wembley e erguendo o troféu mais prestigioso para um clube europeu.

Mas Robben, apesar de ter atuado 73 vezes pela seleção holandesa e marcado 22 gols, teve altos e baixos nas Copas.

Ele marcou gol em sua estreia no Mundial de 2006 na Alemanha em partida contra a Sérvia e Montenegro, mas fracassou nas oitavas de final, quando a Holanda perdeu de 1 x 0 para Portugal.

E, no que parece um resumo de sua carreira, chegou à Copa de 2010 na África do Sul contundido.

Ele só jogou 17 minutos na fase de grupos, mas brilhou na etapa eliminatória. Suas disparadas e seus dribles, sempre potentes e oportunos, foram alguns dos poucos pontos positivos de uma Holanda apática que fez pouco para honrar a fluidez do futebol de seleções anteriores.

Depois do torneio, Robben disse estar atormentado por não ter conseguido fazer um gol quando só tinha um adversário entre ele e a rede na final contra a Espanha, que os holandeses perderam de 1 x 0 depois de um gol dramático de Andrés Iniesta na prorrogação.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below