December 23, 2014 / 6:13 PM / 3 years ago

Crise se aprofunda e centenas de civis são mortos em confrontos na Líbia

Por Stephanie Nebehay

Fumaça é vista em área de conflito em Benghazi, na Líbia. 23/12/2014. REUTERS/Esam Omran Al-Fetori

GENEBRA (Reuters) - Centenas de civis foram mortos desde o final de agosto em confrontos na Líbia, afirmou a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira, alertando comandantes de grupos armados de que eles podem enfrentar medidas legais por possíveis crimes de guerra, incluindo execuções e tortura. 

O país norte-africano passa por distúrbios com conflitos em diversas frentes enquanto brigadas de ex-rebeldes que lutaram lado a lado para derrubar Muammar Gaddafi em 2011 agora disputam poder político e fatias das receitas de petróleo do país. 

O conflito tirou pelo menos 120 mil pessoas de suas casas e causou uma crise humanitária, disse um relatório conjunto do escritório de direitos humanos da ONU e da missão de apoio da ONU na Líbia (Unsmil), que também documenta os ataques às áreas civis.

O número inclui uma estimativa de 100 pessoas mortas e 500 feridas por conta dos conflitos entre grupos armados rivais em Warshefana, uma área próxima a Trípoli “considerada como um reduto de partidários de Gaddafi e de outros criminosos comuns” entre o final de agosto e o início de outubro. Outros 170 foram mortos e centenas ficaram feridos nas montanhas de Nafusa, no sudoeste, segundo o documento. 

Cerca de 450 pessoas foram mortas em Bengazi desde que os conflitos escalaram em meados de outubro. Hospitais foram bombardeados ou ocupados por grupos armados e uma ambulância do Crescente Vermelho foi utilizada para promover um ataque suicida em um posto de controle, segundo o comunicado. 

Desde outubro, o Exército líbio e forças leais ao ex-general Khalifa Haftar estão disputando uma guerra para retomar a cidade costeira no leste do país, controlado por grupos islamitas. 

As informações foram reunidas durante uma missão da ONU a Trípoli com ativistas, jornalistas e familiares de vítimas. “O número de mortos foi compilado com registros de hospitais”, disse a porta-voz de direitos humanos da ONU Ravina Shamdasani em pronunciamento. 

Além de tudo, a Líbia tem desde agosto dois governos paralelos, desde que o grupo Amanhecer da Líbia tomou Trípoli, forçando o governo internacionalmente reconhecido para fora da capital.

“Há uma série ausência de lei e de ordem, não há como responsabilizar ninguém por nada, então essas violações estão continuando com impunidade, e não houve esforços para conter isso”, disse Shamdasani. 

“Alguns desses crimes podem ser considerados crimes de guerra”, afirmou a porta-voz. 

Muitas das violações podem potencialmente cair sob a jurisdição da Corte Criminal Internacional, que investiga a situação na Líbia, dizia o relatório. 

Mas as chances de processar os violadores estão longe de prováveis. Em 12 anos de operação, apenas três condenações foram feitas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below