December 31, 2014 / 5:18 PM / 4 years ago

Presidente palestino assina pedido de adesão ao Tribunal Penal Internacional

RAMALLAH (Reuters) - O presidente palestino, Mahmoud Abbas, assinou 20 acordos internacionais nesta quarta-feira, incluindo o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, um dia depois de ter uma proposta de resolução rejeitada no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas (centro), discursa durante comício em comemoração aos 50 anos de fundação do partido Fatah, em Ramallah, na Cisjordânia, nesta quarta-feira. 31/12/2014 REUTERS/Mohamad Torokman

A medida, que irritou Israel e Estados Unidos, abre caminho para o tribunal ter jurisdição sobre os crimes cometidos nos territórios palestinos e investigar a conduta dos líderes israelenses e palestinos ao longo de mais de uma década de conflito sangrento.

“Eles nos atacam e atingem nossa terra todos os dias e para quem podemos reclamar? O Conselho de Segurança nos decepcionou - onde devemos ir?”, disse Abbas a um grupo de líderes palestinos em comentários transmitidos pela televisão oficial.

Nos meses que antecederam a tentativa de aprovação de uma resolução na ONU, que fracassou na noite de terça-feira, a Suécia reconheceu o Estado palestino e os parlamentos de França, Grã-Bretanha e Irlanda aprovaram moções de cumprimento não obrigatório instando seus governos a fazer o mesmo.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, reagiu à decisão de Abbas e prometeu tomar medidas para repelir eventuais movimentos contra Israel.

“Vamos tomar medidas em resposta a isso e defenderemos os soldados de Israel”, disse Netanyahu em um comunicado.

Os EUA disseram que o ato era profundamente preocupante e não contribuía para os esforços de paz na região.

“É um passo para trás que não vai conseguir chegar a nenhum dos resultados que a maioria dos palestinos espera ver há muito tempo para o seu povo”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Jeff Rathke, em comunicado. “Ações como esta não são a resposta.”

Os palestinos querem um Estado que inclua a Faixa de Gaza, a Cisjordânia e Jerusalém Oriental, territórios que Israel capturou na guerra de 1967.

Os esforços para reconhecer a Palestina têm ganhado força desde que Abbas obteve sucesso no reconhecimento de facto de um Estado palestino na Assembleia-Geral da ONU em 2012, o que tornou os palestinos elegíveis a fazer parte do TPI.

Na terça-feira, o Conselho de Segurança da ONU rejeitou um projeto de resolução dos palestinos que pedia um acordo de paz em 12 meses e a retirada de Israel dos territórios palestinos ocupados até o fim de 2017.

Reportagem adicional de Dan Williams e Allyn Fisher-Ilan

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below