January 19, 2015 / 1:32 PM / in 3 years

Promotor argentino que acusou Cristina Kirchner de complô com Irã é achado morto

Por Sarah Marsh e Maximiliano Rizzi

Promotor argentino Alberto Nisman, que investigava um atentado a bomba de 1994 em Buenos Aires, durante reunião com jronalistas em seu gabinete, em Buenos Aires. 29/07/2013. REUTERS/Marcos Brindicci

BUENOS AIRES (Reuters) - O promotor argentino que acusou a presidente Cristina Kirchner de orquestrar o acobertamento de uma investigação contra o Irã sobre o ataque a bomba de 1994 contra um centro judaico na Argentina foi encontrado morto em seu apartamento, informaram autoridades nesta segunda-feira.

Alberto Nisman, que investigava a explosão que matou 85 pessoas no centro judaico Amia, em Buenos Aires, disse na semana passada que Cristina havia aberto um canal de comunicação secreto com o grupo de iranianos suspeito de ter plantado a bomba.

Segundo o promotor, o esquema tinha como objetivo inocentar os suspeitos para que a Argentina pudesse começar a negociar grãos em troca de petróleo do Irã.

“Alberto Nisman foi encontrado morto no domingo à noite em seu apartamento no 13º andar da torre Le Par, no bairro de Puerto Madero em Buenos Aires”, informou o Ministério da Segurança Pública da Argentina em comunicado.

O ministério disse que os guarda-costas de Nisman avisaram à mãe do promotor no domingo à tarde que ele não estava atendendo o telefone nem a campainha, e que os jornais de domingo ainda estavam na porta.

A mãe de Nisman encontrou a porta de seu flat trancada pelo lado de dentro e teve que chamar um chaveiro para abri-la. Ela encontrou o corpo do filho no chão do banheiro, bloqueando a entrada, e ligou para a polícia.

“Próximo ao corpo de Nisman... foi encontrada uma arma de mão de calibre 22, assim como um cartucho”, declarou o ministério.

Nisman, que segundo a mídia local tinha 51 anos, era esperado em uma audiência a portas fechadas no parlamento nesta segunda-feira para explicar suas acusações contra Cristina.

O jornal Clarín relatou que poucos dias atrás ele havia dito ao diário que “posso acabar morto por causa disto”. Em uma outra entrevista à televisão, Nisman também cogitou aceitar um reforço em sua segurança.

AUTÓPSIA  

“Nos próximos dias, iremos determinar a causa da morte com uma autópsia”, disse a promotora Viviana Fein aos jornalistas reunidos no local do crime nas primeiras horas. “Peço seriedade, peço prudência”.

O juiz encarregado do caso do atentado de 1994 criticou Nisman na semana passada por assumir a responsabilidade de “iniciar uma investigação sem controle judiciário” e afirmou que o indício que ele apresentou era falho.

O chefe de gabinete argentino, Jorge Capitanich, havia dito que as alegações de Nisman eram “loucas, absurdas, ilógicas, irracionais, ridículas, inconstitucionais”.

Em 2013, Cristina tentou formar uma “comissão da verdade” com o Irã para conduzir uma investigação conjunta. Na época ela declarou que o pacto iria reabrir o inquérito, mas Israel e grupos judeus disseram que a medida ameaçava o andamento do processo criminal do caso.

A comissão da verdade foi desautorizada por um tribunal argentino, e Teerã jamais a ratificou.

Nisman havia dito que a comissão tinha por fim ajudar a obter a anulação dos mandados de prisão contra os suspeitos iranianos como passo na normalização das relações bilaterais e para abrir caminho para a obtenção do petróleo iraniano, necessário para auxiliar a cobrir o déficit energético argentino de sete bilhões de dólares anuais.

Tradução Redação Rio de Janeiro; +55 21 2223-7141REUTERS FP

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below