January 20, 2015 / 2:53 PM / 3 years ago

Confrontos voltam a atingir capital do Iêmen enquanto grupo busca ganhos políticos

Por Yara Bayoumy e Mohammed Ghobari

Combatente houthi posa para foto do lado de fora de uma instalação de guardas presidenciais em uma montanha com vista para o palácio presidencial em Sanaa. 20/01/2015 REUTERS/Khaled Abdullah

SANAA (Reuters) - Militantes do grupo Houthi enfrentaram guardas na residência particular do presidente do Iêmen e entraram no palácio presidencial nesta terça-feira, disseram testemunhas, em meio ao segundo dia de violência em Sanaa, o que tem levantado temores de que o país possa mergulhar no caos.

Em discurso ao vivo na TV, o líder do grupo, Abder-Malek al-Houthi, sugeriu que os dois dias de combates envolvendo seus homens, que foram condenados pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, faziam parte de uma tentativa de proteger um acordo de compartilhamento de poder cujo objetivo era devolver a estabilidade ao Iêmen.

O líder do grupo criticou repetidas vezes o presidente iemenita, Abd-Rabbu Mansour Hadi, um aliado dos EUA com quem Houthi tem se desentendido por causa de um novo projeto de Constituição, destinado a ajudar a encerrar décadas de conflito e subdesenvolvimento no país.

Ele disse que ninguém, incluindo Hadi, estava acima de qualquer intervenção quando o assunto era implementar o acordo de compartilhamento de poder, negociado depois que seus homens invadiram Sanaa em setembro. Houthi tem estima pelo acordo, pois ele dá ao seu grupo participação em todos os órgãos civis e militares.

“Nós... não vamos hesitar em impor qualquer medida necessária para implementar a paz e o acordo de parceria”, disse Houthi, cujo grupo muçulmano xiita é amplamente considerado um aliado do Irã em sua disputa regional por influência com a Arábia Saudita.

TENSÕES

A emergência dos houthis como principal fonte de poder no Iêmen em setembro provocou a dissolução de alianças e causou tensão por todo o espectro político da capital iemenita, levantando temores sobre uma instabilidade mais profunda no país, que abriga uma das ramificações mais ativas da Al Qaeda.

A ministra da Informação do Iêmen, Nadia al-Saqqaf, disse que os confrontos na casa de Hadi representavam uma tentativa de golpe contra o governo iemenita, acusação que um representante sênior do grupo Houthi nega.

Os enfrentamentos ocorreram após um dos piores confrontos dos últimos anos em Sanaa, na segunda-feira. Guardas leais a Hadi trocaram tiros de artilharia perto do palácio presidencial com os houthis.

“O presidente iemenita está sob ataque de milícias armadas que buscam derrubar o sistema de governo”, disse Saqqaf no Twitter nesta terça-feira à noite.

Moradores disseram mais tarde que os confrontos se acalmaram. Um representante do governo afirmou que duas pessoas morreram.

A ministra não identificou as milícias às quais se referia, mas afirmou que estavam disparando tiros de casas próximas. Hadi mora numa residência particular, e não no palácio presidencial.

Mohammed al-Bukhaiti, integrante do núcleo central do Houthi, disse que o grupo não tinha planos para atacar Hadi.

“Ansarullah não tem intenção de ter o presidente Hadi como alvo em sua casa”, disse ele, usando o nome oficial do grupo.

Ele disse que o que aconteceu na casa do presidente foi resultado de uma “provocação” pela segurança de Hadi e que o incidente foi contido.

Em Washington, Valerie Jarrett, uma das principais assessoras de Obama, disse que o presidente dos EUA estava acompanhando a situação em Sanaa.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below