January 22, 2015 / 10:39 AM / 3 years ago

Venezuela vai aumentar gasolina e reorganizar sistema de câmbio para aumentar receitas

Por Eyanir Chinea e Diego Ore

Maduro discursa na Assembleia Nacional, em Caracas. 21/01/2015 REUTERS/Jorge Silva

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que vai aumentar este ano o preço da gasolina e reorganizar o sistema de taxas de câmbio, em busca de fortalecer as receitas cada vez menores do país, afetadas pela queda acentuada no valor do petróleo.

Em seu pronunciamento anual à Assembleia Legislativa, Maduro disse, na quarta-feira à noite, que “chegou o momento” de aumentar o peço da gasolina, a mais barata do mundo, cujo custeio consome cerca de 12,5 bilhões de dólares por ano em subsídios.

A Venezuela está enfrentando uma crise econômica, com o país em recessão e níveis de preços próximos da hiperinflação, em meio à queda, nos últimos quatro meses, de mais de 50 por cento nos preços internacionais do petróleo, a maior fonte de divisas do país.

“É claro que a receita faz falta..., o que eu estou dizendo é que não há desespero”, disse Maduro, sob aplausos do Congresso. “Será feito este ano, sem pressa, mas será feito.”

O presidente já havia rejeitado várias vezes a ideia de aumentar o preço da gasolina por ser uma questão muito sensível para os venezuelanos, que ainda têm fresco na memória o chamado “Caracazo”, os protestos violentos no início de 1989, desencadeados pelo anúncio de um pacote de reformas econômicas.

Na Venezuela, é possível encher o tanque de 60 litros de um modelo sedan por menos de um dólar, enquanto em países como o Uruguai isso pode custar até 114 dólares.

Durante o discurso, Maduro também disse que vai manter três taxas de câmbio, como parte do controle que o governo estabelece sobre a moeda em um país que importa quase tudo que consome.

MECANISMO DE TRANSIÇÃO

A crise acentuada pela queda dos preços do petróleo afetou os cofres do governo venezuelano, deixando menos dólares disponíveis para gastar em importações e, em consequência, esvaziando as prateleiras de mercearias e supermercados.

Todos os dias milhares de venezuelanos têm de formar longas filas para encontrar itens básicos, um fenômeno que corroeu a popularidade de Maduro desde que tomou posse em 2013.

Com essa situação, o medo de que o país possa entrar em default cresceu nos mercados, embora Maduro diga que o país vai honrar seus compromissos.

Os economistas sugeriram que o governo adote medidas impopulares, mas necessárias, para melhorar o fluxo de caixa, como a unificação das três taxas de câmbio.

Mas o presidente disse na quarta-feira que será mantida a taxa mais alta de 6,3 bolívares por dólar para as importações de alimentos e medicamentos, e que as taxas atuais de 12 e 52 bolívares por dólar serão unificadas. Ele não especificou quando ou como será o novo mecanismo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below