January 29, 2015 / 10:19 AM / in 3 years

Dilma defende fórum de empresários na América Latina e aponta cena econômica global "complexa"

(Reuters) - A presidente Dilma Rousseff defendeu na noite de quarta-feira a criação de um fórum de empresários na América Latina e Caribe para aproveitar melhor as oportunidades de comércio na região, em meio a uma conjuntura econômica global “muito complexa”.

Presidente Dilma Rousseff discursa na cúpula da Celac na Costa Rica. 28/01/2015 REUTERS/Presidência da Costa Rica/Divulgação via Reuters

“A recuperação da economia mundial... não está ocorrendo com a força esperada”, disse a presidente em San José, na Costa Rica, em discurso na cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

Retomando o argumento da fraqueza da economia internacional, Dilma citou a “lenta recuperação” dos Estados Unidos, “estagnação” na Europa e “desaceleração” na China. A presidente lamentou ainda a queda nos preços das commodities, notadamente petróleo e minério de ferro -do qual o Brasil é um dos maiores exportadores mundiais.

“Tudo isso afeta a nossa região e devemos constatar uma certa redução da margem de manobra da política macroeconômica em alguns países, aumento do déficit de conta corrente, da inflação e do déficit fiscal”, disse a presidente, no que poderia ser um resumo do quadro brasileiro.

Dilma, que está no início de segundo mandato, trocou seus ministros da Fazenda e do Planejamento para realizarem um ajuste fiscal depois da deterioração das contas públicas nos últimos anos, num cenário de inflação alta e crescimento fraco.

Ao defender um fórum com a participação de governos e empresas da região para desenvolver o comércio, a presidente disse que seu objetivo seria “aproveitar as oportunidades diversificadas que nossas economias oferecem e estimular, quando possível, a integração produtiva no espaço Celac”.

A presidente aproveitou ainda para elogiar as conversações entre Estados Unidos e Cuba para normalizar as relações dos dois países, mas voltou a criticar o embargo econômico norte-americano contra a ilha caribenha.

“Essa medida coercitiva, sem amparo no Direito Internacional, que afeta o bem-estar do povo cubano e prejudica o desenvolvimento do país deve... ser superada.”

Por Alexandre Caverni, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below