February 2, 2015 / 12:06 PM / 4 years ago

Tribunal do Egito condena à morte 183 apoiadores da Irmandade Muçulmana

CAIRO (Reuters) - Um tribunal do Egito condenou à morte nesta segunda-feira 183 apoiadores da Irmandade Muçulmana, organização proibida de atuar no país, acusados de matar policiais, em mais uma passo da repressão das autoridades aos islâmicos.

Juiz Mohamed Nagi Shehata fala durante julgamento de caso conhecido como "Massacre Kerdassa", no Cairo. 24/01/2015 REUTERS/Asmaa Waguih

Os homens foram condenados por seu papel no assassinato de 16 policiais na cidade de Kardasa em agosto de 2013, durante a revolta que se seguiu à deposição do presidente islâmico Mohamed Mursi. Trinta foram sentenciados sem estar presentes.

O Egito montou uma das maiores operações de repressão de sua história moderna contra a Irmandade desde a queda de Mursi, o primeiro presidente da nação eleito democraticamente.

Milhares de apoiadores da Irmandade Muçulmana foram presos e submetidos a julgamentos em massa durante a campanha repressiva, que grupo de direitos humanos dizem mostrar que o governo está reprimindo sistematicamente seus opositores.

O presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, ex-chefe do Exército que depôs Mursi, descreve a Irmandade como uma grande ameaça de segurança.

O movimento diz estar comprometido com o ativismo pacífico.

Por Michael Georgy

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below