February 27, 2015 / 7:03 PM / 3 years ago

EUA e Cuba têm segunda rodada de conversas sobre normalização das relações

Por David Adams e Arshad Mohammed

Jornalista em frente a tela anunciando rodada de negociação entre Cuba e EUA, em Havana. 22/01/2015 REUTERS/Stringer

WASHINGTON (Reuters) - Autoridades de Cuba e dos Estados Unidos mantiveram nesta sexta-feira uma segunda rodada de conversas para restaurar as relações diplomáticas. Os cubanos pressionaram para serem retirados de uma lista dos EUA de países patrocinadores do terrorismo, enquanto os norte-americanos dizem que a designação não deve ser ligada às negociações sobre a abertura de embaixadas.

As reuniões de um dia derivam da decisão, anunciada em dezembro, de normalizar as relações entre os dois ex-inimigos dos tempos da Guerra fria, o que inclui a abertura de representações diplomáticas nas duas nações e a troca de prisioneiros. Os EUA cortaram os laços diplomáticos com Cuba 54 anos atrás.

As delegações presentes às conversas desta sexta-feira, que deram sequência a uma primeira rodada de negociações em Havana no mês passado, foram lideradas pela secretária-assistente de Estado norte-americana para a América Latina, Roberta Jacobson, e a chefe da divisão norte-americana do Ministério das Relações Exteriores cubano, Josefina Vidal.

Os EUA disseram que as tratativas deveriam se concentrar em temas a respeito da atuação dos diplomatas nas futuras embaixadas, mas Cuba pressiona Washington a retirá-la de sua lista de apoiadores do terrorismo antes do restabelecimento oficial dos laços diplomáticos.

Havana afirma que as sanções dos EUA a bancos que fazem negócios com países da lista a impedem de conduzir questões diplomáticas em território norte-americano.

Mas restabelecer as relações diplomáticas não deve estar atrelado à lista, afirmou o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, acrescentando que se trata de um processo técnico que envolve um conjunto de negociações “bastante normal”.

A designação de patrocínio ao terrorismo é um processo separado, e “não uma negociação”, disse Kerry quando indagado sobre as conversas com Cuba durante uma entrevista coletiva conjunta com a presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf.

“É uma avaliação feita de acordo com um conjunto muito rígido de exigências, a mando do Congresso, que tem que ser abordada separadamente e está sendo abordada separadamente”, afirmou Kerry. Ele acrescentou que “nada será feito a respeito da lista até a avaliação estar concluída”.

O governo do presidente norte-americano, Barack Obama, está perto de completar sua análise sobre o lugar de Cuba na lista, que deve ser submetida ao Congresso antes de o nome de Cuba poder ser removido, declarou uma autoridade de alto escalão do Departamento de Estado a repórteres na quarta-feira.

Os EUA esperam chegar a um acordo sobre a reabertura das embaixadas a tempo da Cúpula das Américas, entre 10 e 11 de abril, no Panamá, onde Obama e seu homólogo cubano, Raúl Castro, podem ser encontrar pela primeira vez desde seu anúncio conjunto de 17 de dezembro.

Reportagem adicional de Daniel Trotta, em Havana; e de Warren Strobel, em Washington

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below