April 10, 2015 / 2:53 PM / 3 years ago

Obama e Raúl Castro discutem laços e vão se encontrar durante cúpula

CIDADE DO PANAMÁ (Reuters) - Os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e de Cuba, Raúl Castro, conversaram por telefone sobre a retomada dos laços diplomáticos e vão se encontrar informalmente durante reunião de cúpula regional neste fim de semana, enquanto buscam superar décadas de hostilidade entre os dois inimigos da Guerra Fria.

Presidente dos EUA, Barack Obama, desembarca na Cidade do Panamá. 09/04/2015 REUTERS/Jonathan Ernst

A reaproximação histórica deve dominar a Cúpula das Américas, no Panamá, menos de quatro meses depois do anúncio feito por Obama e Raúl Castro de que pretendiam melhorar as relações e impulsionar o comércio e as viagens entre os dois países

Os dois líderes conversaram por telefone na quarta-feira, antes de Obama deixar Washington, e discutiram o processo de retomada das relações diplomáticas formais e a abertura de embaixadas, informou a Casa Branca.

Eles têm agendas separadas na maior parte do dia, mas participarão do início do encontro de cúpula junto com outros líderes regionais na sexta-feira à noite.

Obama e Raúl devem se reunir no sábado, disse Ben Rhodes, vice-conselheiro de segurança nacional dos Estados Unidos. “Eles terão uma oportunidade de encontro amanhã, para uma discussão”, declarou.

Além de alguns encontros breves e casuais, os líderes de EUA e Cuba não tiveram qualquer reunião importante desde que o irmão mais velho de Raúl, Fidel Castro, derrubou o ditador apoiado pelos Estados Unidos Fulgencio Batista na revolução de 1959 e depois comandou a ilha caribenha em uma estreita aliança com a União Soviética.

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodriguez, se reuniram em um hotel da Cidade do Panamá na quinta-feira à noite, no primeiro encontro entre os principais diplomatas dos países desde 1958.

Em mais um sinal de reaproximação, Obama parece estar perto de retirar Cuba de uma lista de países que patrocinam o terrorismo. Ter o nome incluído neste lista implica uma série de sanções automáticas dos EUA.

Cuba citou sua inclusão na lista como um obstáculo para a restauração completa das relações diplomáticas e a abertura de embaixadas que Obama e Raúl anunciaram em dezembro passado. Washington rompeu relações diplomáticas com Cuba em 1961.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below