April 16, 2015 / 2:48 PM / 3 years ago

Rússia responsabiliza EUA por crises de segurança no mundo e turbulência na Ucrânia

Por Gabriela Baczynska

MOSCOU (Reuters) - Autoridades russas acusaram os Estados Unidos, nesta quinta-feira, de buscarem o domínio político e militar do mundo e colocaram a culpa no Ocidente por crises na segurança internacional, incluindo o conflito no leste da Ucrânia.

Evocando a retórica típica da Guerra Fria, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, disse que o movimento dos Estados Unidos e seus aliados para trazer a Ucrânia para mais perto do Ocidente era uma ameaça para a Rússia e forçou o país a reagir.

“Os Estados Unidos e seus aliados têm atravessado todos os limites possíveis em sua movimentação para trazer Kiev para sua órbita. Isso não poderia ter deixado de provocar nossa reação”, disse o ministro em conferência anual de segurança em Moscou.

Ecoando seus comentários, o general Valery Gerasimov, chefe do Estado-Maior Geral das Forças Armadas russas, afirmou no evento: ”Considerando-se os vencedores da Guerra Fria, os Estados Unidos decidiram mudar o mundo para atender às suas necessidades”.

“Com o objetivo de ter o domínio completo, Washington parou de levar em conta os interesses de outros países e o respeito ao direito internacional”, acrescentou.

A Rússia anexou a península ucraniana da Crimeia em março do ano passado, depois do que considerou ter sido um “golpe inconstitucional” quando protestos de rua em Kiev derrubarem um presidente ucraniano aliado a Moscou, depois que ele rompeu um acordo de cooperação com a União Europeia.

Depois disso, um movimento separatista se espalhou pelo leste da Ucrânia, em regiões de língua russa, onde os combates entre as tropas de Kiev e rebeldes pró-Rússia já deixaram mais de 6.000 mortos.

O Ocidente diz que a Rússia instiga a rebelião, envia tropas regulares russas para o local e fornece armas, treinamento e informações de inteligência aos insurgentes.

O presidente Vladimir Putin reiterou nesta quinta-feira que forças militares russas não estão em território ucraniano e também negou que o país esteja fornecendo tropas e apoio aos rebeldes pró-Rússia no leste da Ucrânia.

Shoigu atribuiu a violência ao governo da Ucrânia e procurou rebater as críticas de países ocidentais de que a Rússia esteja refazendo à força as fronteiras europeias. Ele apontou para o envolvimento militar dos EUA e aliados na Sérvia, Iraque e Líbia.

O chanceler russo, Sergei Lavrov, disse na conferência, da qual tomaram parte enviados da China, Irã, Paquistão e alguns dos aliados da Rússia, que a Ucrânia tem de cumprir as suas obrigações no âmbito dos acordos de paz celebrados em Minsk para “salvaguardar a unidade do Estado ucraniano”.

Ambos disseram que a Rússia considera o desenvolvimento do escudo antimísseis na Europa, conduzido pelos Estados Unidos, como uma alteração do equilíbrio de poder do pós-guerra e uma ameaça à sua capacidade estratégica de dissuasão nuclear. Shoigu disse que a Rússia está tomando medidas para se contrapor a isso.

Reportagem de Alison Williams

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below