May 7, 2015 / 7:14 PM / 4 years ago

CGU diz que empresa alemã suspeita de pagar propina na Copa busca acordo de leniência

SÃO PAULO (Reuters) - A empresa alemã de engenharia Bilfinger se tornou a primeira companhia internacional a revelar ao governo que pode ter pago propinas enquanto busca um acordo de leniência nos termos da nova lei anticorrupção, disse o ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Valdir Simão, nesta quinta-feira.

Ao relatar o possível desvio à CGU, a Bilfinger espera poder continuar a operar no Brasil, explicou Simão, embora possa ter que ressarcir eventuais danos mesmo assim.

“Ela (empresa) sabe que vai ser punida no Brasil; ela não está isenta das multas”, afirmou Simão em uma conferência em São Paulo, acrescentando que, em troca, a empresa pode ter garantido o direito de atuar no país.

Segundo a nova lei, que entrou em vigor em janeiro de 2014, as companhias condenadas por suborno podem ser proibidas de firmar contratos no futuro.

Em março, a Bilfinger declarou que pode ter pago 1 milhão de euros a servidores públicos em conexão com encomendas de telões para centros de controle de segurança durante a Copa do Mundo do ano passado. Na ocasião, a empresa disse em comunicado que estava realizando uma investigação interna e colaborando com as autoridades brasileiras.

Cinco empresas estão pleiteando acordos de leniência com a CGU, revelou Simão, acrescentando que tais pactos são “uma novidade” no país. Quatro delas estão ligadas ao escândalo de corrupção da Petrobras, segundo ele.

A CGU está investigando 29 firmas de engenharia pela suposta formação de um cartel para combinar preços de contratos e repassar propinas para políticos e partidos. À medida que o escândalo se aprofundou nos últimos meses, projetos vitais de infraestrutura foram suspensos ou cancelados, alguns fornecedores passaram a lutar contra a falência e as demissões já chegaram às dezenas de milhares.

No mês passado, a Engevix Engenharia disse que está caminhando para fechar um acordo deste tipo, e em março a empresa holandesa de aluguel de plataformas de petróleo SBM Offshore declarou ter concordado com o esboço de um acordo depois de ser condenada por suborno na Holanda.

Com os acordos de leniência, a CGU espera identificar mais pagamentos de suborno, obter provas de atividades criminosas e recuperar fundos roubados, disse Simão. As companhias que assinarem os entendimentos podem ter multas em potencial reduzidas em até dois terços.

Por Caroline Stauffer

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below