May 13, 2015 / 2:03 PM / 3 years ago

Oficial do Exército do Burundi anuncia deposição do presidente; multidão celebra na capital

BUJUMBURA (Reuters) - Um general do Exército do Burundi anunciou nesta quarta-feira que depôs o presidente Pierre Nkurunziza por ele buscar um terceiro mandato, apesar de a Constituição vetar, e está trabalhando com grupos da sociedade civil para formar um governo de transição.

População vais às ruas comemorar em Bujumbura. 13/5/2015 REUTERS/Goran Tomasevic

O gabinete presidencial rapidamente qualificou como uma bobagem a declaração do general Godefroid Niyombare, que foi destituído por Nkurunziza do cargo de chefe da Inteligência em fevereiro. “Consideramos isso uma piada, e não um golpe militar”, afirmou à Reuters o assessor presidencial Willy Niyamitwe.

Mas após o anúncio multidões tomaram as ruas da capital do Burundi, aplaudindo e cantando, e soldados cercaram o prédio da emissora estatal.

Niyombare fez sua declaração aos repórteres em um quartel militar em Bujumbura, enquanto o presidente estava fora do país, em uma reunião de cúpula africana sobre a crise. Ex-embaixador do país no Quênia, Niyombare estava cercado de vários outros oficiais superiores do Exército e da polícia, incluindo um ex-ministro da Defesa.

“No que diz respeito à arrogância do Presidente Nkurunziza e seu desafio à comunidade internacional, que o aconselhou a respeitar a Constituição e o acordo de paz de Arusha, a comissão para o estabelecimento da concórdia nacional decidiu: o presidente Nkurunziza está demitido, seu governo também está demitido”, disse.

Mais de 20 pessoas foram mortas desde que há cerca de duas semanas irromperam protestos de rua no país –que é pobre e fica no centro da África– , de acordo com uma contagem não oficial feita por ativistas.

Os manifestantes dizem que a intenção de Nkurunziza de ficar mais cinco anos no cargo viola o limite de dois mandatos previsto na Constituição e o acordo de paz de Arusha, que pôs fim a uma guerra civil de fundo étnico em 2005, na qual morreram cerca de 300.000 pessoas.

Os líderes de países do Leste Africano e um alto funcionário da África do Sul se reuniram na capital comercial da Tanzânia, Dar es Salaam, para discutir a crise que já ultrapassa fronteiras, em uma região com uma história de conflito étnico.

O Ministério das Relações Exteriores da África do Sul informou que está monitorando de perto a situação no Burundi, mas disse ser muito cedo para determinar se houve um golpe.

Doadores ocidentais de ajuda ao Burundi, incluindo os Estados Unidos e a União Europeia, têm criticado a decisão de Nkurunziza de disputar novo mandato.

Reportagem adicional de Goran Tomasevic em Bujumbura, Fumbuka Ng'wanakilala em Dar es Salaam e Tom Miles em Genebra; Reportagem de Edmund Blair

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below