May 15, 2015 / 4:58 PM / 3 years ago

Saudita é condenado à prisão perpétua nos EUA por ligação com ataques a embaixadas na África

Por Joseph Ax

NOVA YORK (Reuters) - Um cidadão da Arábia Saudita descrito por autoridades norte-americanas como um importante assessor de Osama bin Laden foi condenado à prisão perpétua, nesta sexta-feira, por ligação com ataques a bomba contra embaixadas dos Estados Unidos no Quênia e na Tanzânia em 1998.

Khalid al-Fawwaz foi sentenciado pelo juiz distrital dos Estados Unidos Lewis Kaplan, após ser condenado por quatro acusações em fevereiro.

Ele não foi acusado de ajudar a planejar os ataques, que mataram 224 pessoas e deixaram mais de 4.000 feridos. Em vez disso, os promotores disseram que ele a “ponte para o Ocidente” de Bin Laden em Londres, disseminado as mensagens violentas do líder da Al Qaeda para a mídia e enviando suprimentos para membros do grupo na África.

Autoridades dos EUA também acusaram Al-Fawwaz de administrar um campo de treinamento da Al Qaeda no Afeganistão nos anos 1990 e de ajudar o grupo a estabelecer uma célula na capital do Quênia, Nairóbi, que mais tarde resultaram em ações de vigilância antes do ataque à embaixada lá.

Várias vítimas e familiares fizeram um apelo a Kaplan nesta sexta-feira para impor a pena de prisão perpétua a al-Fawwaz.

Al-Fawwaz foi preso em Londres em 1998 e extraditado em 2012 após uma disputa judicial. Ele é o 10º condenado por ligações com os ataques às embaixadas, de acordo com os promotores.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below