May 15, 2015 / 6:54 PM / 3 years ago

PMDB quer Presidência em 2018 e já discute plataforma

BRASÍLIA (Reuters) - O PMDB pretende lançar candidato próprio à Presidência em 2018, quebrando um jejum de mais de 20 anos para buscar de vez o comando da República.

Vice-presidente Michel Temer (esquerda) ouve presidente da Fundação Ulysses Guimarães, Moreira Franco, durante encontro com membros do PMDB em Brasília. 07/05/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino

Fontes do partido, incluindo senadores, ex-ministros e assessores, delinearam à Reuters a estratégia da legenda, que já vislumbra o fim da aliança de 12 anos com o PT.

O PMDB contratou economistas para modernizar seu programa, que será posto em debate em congresso nacional do partido em setembro, e vem tentado aumentar sua presença nas redes sociais.

Nomes também já têm sido discutidos de maneira informal, incluindo o do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (RJ), e do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes.

Após anos de política sem uma ideologia clara, lideranças do partido estão em busca de uma plataforma que una as várias correntes do PMDB e ajude a quebrar a resistência de eleitores que associam a legenda com clientelismo e corrupção.

“Estamos pavimentando a estrada que nos levará a vitórias em 2018”, disse Wellington Moreira Franco, presidente da Fundação Ulysses Guimarães e arquiteto do plano de renovação do partido, em meio a aplausos no Encontro Nacional de Secretários Gerais do partido, na semana passada, em Brasília.

“Não podemos perder a oportunidade que se coloca de uma maneira muito mais vibrante e concreta que no passado que é realizar um grande sonho de nosso partido: eleger o presidente da República.”

Moreira Franco, ex-ministro da Aviação Civil no primeiro mandato de Dilma Rousseff, disse em entrevista à Reuters que o PT está em uma “situação difícil” e que o país enfrenta uma “crise política muito profunda”.

“O vazio de poder hoje é muito forte.”

O Partido do Movimento Democrático Brasileiro, nascido na ditadura militar há 50 anos como único partido de oposição tolerado, agrega políticos de todo o Brasil e abre mão deliberadamente de uma ideologia clara. Divisões internas atrapalharam planos anteriores de lançar um candidato à Presidência, e o partido tem se aliado aos vencedores de ocasião desde Fernando Henrique Cardoso.

Mas mesmo sem um líder nacional, o PMDB, maior partido do país em número de filiados, está cada vez mais poderoso.

Atualmente, controla as duas Casas do Congresso Nacional e a Vice-Presidência, com poder para acelerar ou barrar a tramitação de projetos de lei.

O PMDB assumiu também a articulação política no segundo mandato de Dilma e controla ministérios importantes, como o da Agricultura e das Minas e Energia. O apoio do partido é fundamental para a aprovação do ajuste fiscal, proposto pela presidente para restaurar a confiança do mercado no país.

O PMDB só elegeu um presidente, Tancredo Neves, em uma eleição indireta em 1985 na transição para a democracia. Mas Tancredo morreu antes de tomar posse, dando lugar a José Sarney, que apoiou o regime militar e só havia aderido ao PMDB para aquela eleição.

O protagonismo atual do partido e os planos para ter candidato próprio em 2018 já influenciam a pauta no Congresso. Um candidato do PMDB também poderia diminuir a chance de outras alternativas à polarização entre PT e PSDB.

“Queremos nos preparar para os próximos 10 anos. O que vamos fazer? A primeira providência é buscar unificar o partido, formar uma grande maioria, em torno de uma ideia-força”, disse Moreira Franco à Reuters.

EM BUSCA DE UM CANDIDATO

Além de lançar as bases para uma plataforma nacional, o partido pretende aproveitar o congresso nacional da legenda em setembro para traçar a estratégia para as eleições municipais do ano que vem. A ideia é continuar forte nas cidades pequenas, mas ganhar espaço nas capitais e metrópoles.

Para um partido tradicional como o PMDB, será um desafio atrair o eleitorado das grandes cidades, foco de protestos contra políticos desde as manifestações de 2013.

“É a hora de perder essa cara de fisiologista e passar a exercer o poder de fato. O PMDB tem que colocar seu programa”, disse o deputado Lúcio Vieira Lima (BA), envolvido na preparação do congresso nacional da legenda.

O partido também está em busca de um candidato.

Eduardo Cunha, que entrou no PMDB somente há pouco mais de dez anos, nega interesse. Mas ele têm feito viagens semanais pelo Brasil, visitando políticos e até pacientes em hospitais.

Cunha também está imprimindo um ritmo forte aos trabalhos da Câmara dos Deputados, colocando em pauta temas polêmicos como a maioridade penal. A estratégia o coloca como referência para eleitores conservadores e de direita e ajuda a dividir a atenção da mídia com o escândalo na Petrobras, no qual ele e outros políticos do PMDB estão sendo investigados.

Cunha nega qualquer relação com o caso.

Outro potencial candidato é Paes, que conta com os Jogos Olímpicos de 2016 para ganhar força.

Assessores do vice-presidente da República e presidente do PMDB, Michel Temer, dizem que ele não deve ser descartado, mesmo que tenha 78 anos em 2018.

Questionado sobre a possibilidade de o partido ter algum candidato próprio, Temer disse que vê a ideia com “os melhores olhos”.

O nome pode ser definido em primárias, disse Moreira Franco. Há precedente: em 2006, quando o partido cogitou lançar candidato à Presidência, esse foi o método escolhido para decidir entre Anthony Garotinho ou Germano Rigotto.

Outro desafio será evitar disputas de poder. Temer e o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), bateram boca recentemente sobre a indicação de cargos no governo, em um exemplo de potenciais conflitos que podem se agravar conforme as preparações para 2018 ganhem fôlego.

“Não pode no Senado ter uma posição, na Câmara ter outra, ir para Michel Temer conciliar. Não pode ser assim”, disse o senador Garibaldi Alves Filho (RN). “O PMDB não pode numa hora grave como essa apresentar nenhuma dubiedade.”

No encontro de secretários do partido na semana passada, Temer disse que o PMDB precisa sair das eleições municipais mais unido para ter um candidato próprio à Presidência.

O partido também tem que se atualizar tecnologicamente e conhecer melhor seus milhões de filiados, disse Moreira Franco. Nenhum dos secretários presentes à reunião era mulher, e a maioria era composta por veteranos com pouca participação em redes sociais.

O que está certo é que a aliança com o PT está com os dias contados.

“O objetivo do nosso partido é ter seu próprio candidato em 2018. Se o PT quiser apoiar a chapa com um candidato a vice, bem-vindos”, disse o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ).

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below