June 26, 2015 / 10:14 PM / 3 years ago

Homem decapita chefe em ataque a fábrica de gás na França

SAINT-QUENTIN FALLAVIER, França (Reuters) - Um homem com ligações islâmicas decapitou seu chefe e deixou o corpo, coberto de palavras escritas em árabe, no local de uma fábrica de gás norte-americana no sudeste da França, antes de tentar explodir o complexo.

O agressor bateu sua van de entrega em um depósito contendo botijões de gás, provocando uma explosão inicial, e foi preso minutos depois, enquanto tentava abrir latas com produtos químicos inflamáveis, disseram os promotores nesta sexta-feira.

A polícia encontrou a cabeça da vítima, o gerente da empresa de transporte de 54 anos, que empregou o suspeito, balançando em uma cerca.

“A cabeça foi descoberta pendurada na cerca de arame da fábrica, emoldurada por duas bandeiras que incluíam referências ao shahada, ou profissão de fé (muçulmano)”, disse o promotor público de Paris François Molins em entrevista coletiva.

O ataque ocorreu no mesmo dia em que um atirador matou pelo menos 37 pessoas em um hotel à beira-mar da Tunísia e um homem-bomba do Estado Islâmico matou duas dezenas de pessoas e feriu mais de 200 em uma mesquita no Kuweit.

“Não há outra ligação a fazer do que dizer que o terrorismo é o nosso inimigo comum”, disse o presidente francês, François Hollande, ao retornar a Paris após participar de uma cúpula da União Europeia em Bruxelas.

“Não deve haver nenhuma dúvida quanto à capacidade do nosso país em proteger a si mesmo e permanecer vigilante”, afirmou ele, anunciando um reforço na segurança nacional para níveis sem precedentes, segundo ele, em relação às últimas décadas.

Hollande afirmou que havia inscrições sobre o corpo decapitado, e fontes policiais disseram que era em árabe, mas as autoridades não revelaram seu conteúdo.

O ministro do Interior da França, Bernard Cazeneuve, nomeou o suspeito como Yassin Sahli. Ele disse que Sahli não tem antecedentes criminais, mas estava sob vigilância de 2006 a 2008, sob suspeita de ter se tornado radicalizado por islâmicos.

O atentado enfatizou mais uma vez a dificuldade que as autoridades da Europa e de outras localidades têm para proteger os assim chamados alvos “fáceis” de ataques de agressores que operam por conta própria ou em pequenas células secretas.

Por Catherine Lagrange e Michel Rose

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below