1 de Dezembro de 2015 / às 21:30 / em 2 anos

Após retórica de líderes, negociadores começam a trabalhar por acordo climático

PARIS (Reuters) - Com o incentivo de 150 líderes mundiais, negociadores governamentais tentavam nesta terça-feira em Paris transformar essa retórica de unidade em um texto de acordo global para reduzir a mudança climática.

Pessoas caminham atrás de logo da conferência do clima (COP21), em Paris. 1/12/2015. REUTERS/Stephane Mahe

Mas à medida que os líderes deixavam a capital da França, ficou evidente que as divergências que têm impedido um acordo ao longo de quatro anos de negociações ainda permanecem sem solução.

Negociadores de 195 países voltaram a trabalhar sobre um projeto de mais de 50 páginas e repleto de questões candentes a serem resolvidas.

O maior obstáculo é o dinheiro: como garantir os bilhões de dólares que as nações em desenvolvimento precisam para abandonar os combustíveis fósseis e se adaptar aos impactos das mudanças climáticas.

Nas conversações técnicas desta terça-feira, os países reafirmaram suas posições de negociação bem conhecidas sobre a questão, com poucas sugestões de compromisso.

O delegado da China, Su Wei, “observou com preocupação” o que chamou de falta de compromisso por parte de países ricos para fazer cortes profundos nas emissões de gases do efeito estufa e ajudar as nações em desenvolvimento com o novo financiamento para combater o aquecimento global.

E o grupo dos 48 países menos desenvolvidos pediu ações muito mais firmes para limitar o aumento das temperaturas.

“Está de volta ao âmago da questão”, disse Alden Meyer, da União de Cientistas Preocupados, acrescentando que o dia de abertura foi “tudo de bom, mas isso não resolve os problemas cruciais.”

Certamente ainda há um pouco do clima de boa vontade visto na segunda-feira, quando líderes mundiais subiram ao palco para fazer valer o imperativo de alcançar um acordo climático.

O presidente da França, François Hollande, disse que foi encorajado pelo início de uma conferência que deve durar até 11 de dezembro. “Largou bem, mas também tem que chegar”, disse ele a repórteres.

O humor também foi estimulado por grandes anúncios de gastos, incluindo um plano de Índia e França para mobilizar 1 trilhão de dólares para energia solar a algumas das pessoas mais pobres do mundo e uma iniciativa do setor privado liderado pelo cofundador da Microsoft Bill Gates para mobilizar bilhões de dólares a novas pesquisas de desenvolvimento e energia.

Reportagem adicional de Emmanuel Jarry

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below