6 de Dezembro de 2015 / às 13:36 / em 2 anos

Venezuelanos realizam eleição para o Congresso com Partido Socialista em xeque

CARACAS (Reuters) - Os venezuelanos irão às urnas para eleger novos legisladores neste domingo, em uma votação que pode punir o Partido Socialista pela longa crise econômica que atinge o país e reforçar as chances de vitória da oposição contra o impopular presidente Nicolas Maduro.

As pesquisas mostram frustração com a crônica falta de produtos e inflação em alta, sinalizando que os venezuelanos podem dar aos socialistas a primeira derrota no parlamento desde que o fundador do movimento, Hugo Chávez, chegou ao poder em 1999.

Levar a maioria dos 167 assentos da Assembleia Nacional não daria à oposição o poder de reformar a economia em dificuldades liderada pelo Estado. Mas quebraria a aura de invencibilidade eleitoral do Partido Socialista, encorajando a oposição a buscar a revogação do mandato de Maduro em 2016.

De acordo com uma pesquisa realizada em novembro pelo instituto Datanalisis, 55,6 por cento dos eleitores apoiam os candidatos da oposição, e apenas 36,8 por cento manteriam o apoio aos chavistas.

Ex-motorista de ônibus e ministro das Relações Exteriores, Nicolas Maduro, 53 anos, passou semanas em campanha eleitoral, participando de comícios com candidatos pró-governo.

“Eles dizem que estão ganhando nas pesquisas --é a mesma história nos últimos 17 anos”, atacou Maduro, em um evento. “Deixem eles com as pesquisas, nós vamos ganhar nas ruas”.

O Datanalisis mostra que a popularidade de Maduro subiu 11 pontos em novembro, atingindo 32,3 por cento, o que pode ser resultado da intensa campanha.

Apesar do otimismo da oposição, o Partido Socialista ainda se beneficia de uma distribuição geográfica das cadeiras do parlamento que favorece áreas rurais historicamente pró-governo ante cidades.

O impacto prático de uma possível vitória da oposição dependeria de quão grande seria a maioria obtida na disputa.

Com dois terços dos assentos, a oposição teria a chance de demitir ministros, bem como diretores do Conselho Nacional Eleitoral, acusados de favorecer chavistas.

Além disso, com uma maioria simples, os legisladores poderiam votar uma lei de anistia para buscar a libertação de presos políticos, como Leopoldo Lopez, preso em 2014 por liderar protestos anti-governo.

Poderiam, também, abrir investigações de agências estatais, interrogar ministros e pressionar pela publicação de indicadores econômicos como a taxa de inflação, que foram mantidos em segredo conforme a economia degringolava.

A eleição, no entanto, não terá impacto imediato sobre o mandato de Maduro, que termina no início de 2019. Os opositores podem tentar destituí-lo por meio de um referendo em 2016, através de coleta de assinaturas.

A votação ocorre ao mesmo tempo em que o escândalo causado pela detenção nos Estados Unidos de dois sobrinhos de primeira-dama Cilia Flores por acusações de tráfico de cocaína renova o foco no fluxo de drogas da vizinha Colômbia através da Venezuela.

“Se a oposição obtiver a maioria dos votos, poderia iniciar as investigações sobre o envolvimento de funcionários de alto nível no tráfico de drogas, mesmo com Maduro ainda no poder”, disse Mike Vigil, ex-chefe de Operações Internacionais da agência anti-drogas dos Estados Unidos.

Por Brian Ellsworth e Julia Harte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below