8 de Dezembro de 2015 / às 00:10 / em 2 anos

Líder do PMDB apresenta nomes para comissão do impeachment e diz que tema "não une"

BRASÍLIA (Reuters) - O líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Leonardo Picciani (RJ), apresentou na noite desta segunda-feira a lista dos oito deputados titulares e oito suplentes do partido indicados por ele para compor a comissão especial que analisará o pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

Para as vagas de titulares, Picciani indicou ele próprio --como os demais líderes estão fazendo-- além dos deputados peemedebistas Celso Maldaner (SC), Daniel Vilela (GO), Hildo Rocha (MA), João Arruda (PR), José Priante (PA), Rodrigo Pacheco (MG) e Washington Reis (RJ).

Esses nomes, porém, disputarão as vagas na comissão especial na terça-feira com uma chapa avulsa formada por dissidentes do PMDB e partidos da oposição. Líderes opositores acusaram as listas elaboradas pelos líderes da base de serem “chapa-branca”.

“Eu considero essa composição equilibrada, não há nenhum compromisso com quem quer que seja para votar de forma A ou B”, disse Picciani, afirmando que não caberia indicar nomes que tenham uma posição muito radicalizada.

“O tema do impeachment não une, nem o PMDB, nem nenhum outro partido e mesmo a sociedade. Então, não há que se falar em unidade em um tema que não tem unidade”, disse Picciani.

A apresentação de uma chapa alternativa para disputar no voto as nomeações foi um dos motivos apresentados pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, para adiar para terça-feira a eleição para formação da comissão especial que analisará o pedido de impeachment.

Em linha com o que o governo tem defendido, Picciani afirmou que o processo de impeachment precisa ser resolvido logo. Nos bastidores, avalia-se dentro do governo que há mais chances de o impeachment ser barrado se for votado mais rapidamente.

“Outra coisa que me causa estranheza é que aqueles que defendiam arduamente a abertura do processo de impeachment agora defendem uma tese de obstrução do trâmite do processo”, disse.

“O impeachment é um instrumento de absoluta força e gravidade... é uma ferida aberta e quanto mais tempo esta ferida ficar aberta, o país perde. O ideal para o Brasil é que esse processo se finalize o mais rapidamente possível”, acrescentou.

Reportagem de Leonardo Goy

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below