10 de Dezembro de 2015 / às 22:16 / 2 anos atrás

Rede entra com nova representação na PGR pedindo afastamento de Cunha da presidência da Câmara

SÃO PAULO (Reuters) - A Rede entrou com nova representação na Procuradoria-Geral da República pedindo o afastamento do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do comando da Casa, disse nesta quinta-feira o líder do partido na Câmara, Alessandro Molon (RJ).

Na representação, o partido aponta a retirada pela Mesa Diretora da Câmara do deputado Fausto Pinato (PRB-SP) da relatoria do processo que pede a cassação do mandato de Cunha por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética da Casa como uma manobra do peemedebista para adiar o processo.

“A destituição do relator do processo contra o deputado Eduardo Cunha evidenciou o quanto ele pode interferir no Conselho de Ética, que infelizmente não está imune às suas manobras”, disse Molon, segundo sua assessoria.

“Diante deste novo fato, a Rede entrou com uma outra representação na Procuradoria-Geral da República cobrando o afastamento imediato de Cunha. É fundamental que o Poder Judiciário tome uma providência para pôr fim ao flagrante desrespeito às regras democráticas.”

Na véspera, deputados da Rede e do PSOL já haviam entrado com outra representação na PGR pedindo que o órgão busque o afastamento de Cunha da presidência da Câmara no Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com os dois partidos, que assinam a representação contra Cunha no Conselho de Ética, o presidente da Câmara tem usado as prerrogativas do cargo para “safar-se dos crimes cometidos”.

Cunha, que é alvo de processo proposto pela Rede e pelo PSOL no Conselho de Ética da Câmara que busca a cassação de seu mandato por quebra de decoro parlamentar, chegou a convocar uma sessão do plenário da Casa enquanto o Conselho de Ética discutia o processo contra ele, o que revoltou adversários.

Ele também aceitou um pedido de abertura de processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff após os três integrantes do PT no Conselho de Ética anunciarem que votariam contra ele no colegiado.

O peemedebista é acusado de mentir à CPI da Petrobras ao afirmar que não tinha contas bancárias no exterior. Documentos dos Ministérios Públicos do Brasil e da Suíça apontaram a existência de contas em nome de Cunha e de familiares no país europeu.

O presidente da Câmara também responde a inquérito no STF devido a essas contas e foi, ainda, denunciado pela PGR ao Supremo acusado de receber 5 milhões de dólares de propina do esquema de corrupção na Petrobras.

Reportagem de Eduardo Simões

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below