December 21, 2015 / 11:24 PM / 2 years ago

Rajoy diz que procurará rivais na difícil tarefa de formar governo na Espanha

Por Julien Toyer e Adrian Croft

Premiê espanhol, Mariano Rajoy, concede entrevista coletiva em Madri, na Espanha, nesta segunda-feira. 21/12/2015 REUTERS/Susana Vera

MADRI (Reuters) - O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, disse nesta segunda-feira que seu Partido Popular (PP), de centro-direita, conversará com rivais na tentativa de formar um governo, depois de uma inconclusiva eleição, mas suas chances parecem pequenas sem o apoio dos partidos de esquerda.

O PP ganhou a maior fatia dos votos das eleições nacionais de domingo, mas não alcançou os 176 assentos necessários para uma maioria parlamentar, preparando o terreno para semanas de negociações complexas para chegar a pactos para governar.

Os dois maiores blocos de esquerda, a oposição Socialista e o novato Podemos, já indicaram que não irão apoiar um governo liderado pelo PP, complicando as tentativas de Rajoy para encontrar aliados que pelo menos se abstenham e o deixem formar um governo.

Rajoy declarou que ele tentará conversar, com a mente aberta, com adversários, dizendo que o PP tinha muito em comum com outros partidos e parecendo abrir uma porta para negociações com os socialistas, embora ele não tenha especificado que pactos tinha em mente.

O PP tem um mandato democrático claro para formar um governo depois de conquistar 123 assentos, disse ele à imprensa.

“O Partido Popular acredita ter uma responsabilidade e um mandato para iniciar um diálogo e explorar a viabilidade de um governo estável que possa oferecer a certeza necessária para dentro e fora da Espanha”, afirmou Rajoy.

Os novatos Podemos, contra a austeridade, e o Ciudadanos, próximo à iniciativa privada, entraram pela primeira vez no palco principal da política nas eleições apertadas, terminando com o domínio do PP e dos socialistas que vem desde logo depois da morte do ditador Francisco Franco em 1975.

Os dois partidos ganharam vários assentos no Parlamento, se aproveitando da irritação geral com o declínio econômico e com a corrupção na quinta economia da União Europeia.

A votação, que colocou os socialistas em segundo lugar, na frente do Podemos e do Ciudadanos, tornou extremamente difícil para qualquer partido ganhar o apoio da maioria, levantando a possibilidade de um impasse que poderia forçar novas eleições no ano que vem.

Rajoy colocou o limite de 13 de janeiro para a primeira rodada de negociações entre os partidos, coincidindo com o dia em que o Parlamento volta ao trabalho.

Os mercados estavam assustados pela incerteza política, e investidores nervosos se distanciaram de ativos espanhóis, pressionando o mercado acionário do país.

Reportagem adicional de Sarah White, Raquel Castillo, Victor Nauzet, Liz O'Leary, Angus Berwick, Jesus Aguado, Blanca Rodriguez, Inmaculada Sanz e Carlos Ruano, em Madri; e de Noah Barkin, em Berlim

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below