16 de Dezembro de 2016 / às 23:02 / um ano atrás

Obama acusa Putin por ciberataques nas eleições dos EUA

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sugeriu de forma forte nesta sexta-feira que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, supervisionou pessoalmente as ocorrências hackers contra emails do Partido Democrata, ações que autoridades de inteligência norte-americanas disseram que tinham como objetivo ajudar o republicano Donald Trump a vencer a eleição de 8 de novembro.

Obama concede entrevista na Casa Branca. 16/12/2016. REUTERS/Carlos Barria

Numa entrevista de fim de ano à imprensa, Obama fez um ataque feroz contra a Rússia, a chamando de um país menor e mais fraco que os Estados Unidos, que “não produz nada que os outros queiram comprar, com exceção de petróleo, gás e armas”.

O comentário mostrou o que Obama chamou de “tristemente deteriorada” relação entre Washington e Moscou, que também têm divergências sobre a guerra civil na Síria.

Perguntado se Putin estaria envolvido pessoalmente nas ações hackers, Obama declarou que “isso aconteceu nos níveis mais altos do governo russo” e que “não muita coisa acontece na Rússia sem Vladimir Putin”.

Contudo, Obama acrescentou que também queria dar mais tempo para que a inteligência norte-americana produzisse um relatório previsto para ficar pronto antes de ele deixar a Casa Branca em 20 de janeiro e de Trump assumir como seu sucessor.

Ele afirmou: “A inteligência que eu vi me dá grande confiança de que os russos realizaram essa ação hacker, a ação no DNC (o Comitê Nacional Democrata) e a ação com John Podesta”, que era o principal assessor de campanha da candidata a presidente democrata, Hillary Clinton.

Obama afirmou ter alertado Putin em setembro para parar de se intrometer nas campanhas políticas norte-americanas, dizendo ao presidente russo para “cortar isso” durante um encontro que tiveram na reunião do G20 na China.

A Rússia nega as acusações norte-americanas de que agiu contra os emails de democratas.

Os emails continham informações constrangedoras, incluindo conversas entre importantes assessores de Hillary que se mostraram chocados sobre a extensão do uso que ela fez de um servidor privado de email quando secretária de Estado.

FBI E CIA

Duas importantes autoridades de governo disseram à Reuters que o FBI dá apoio à visão da CIA de que a Rússia interviu para ajudar Trump a ganhar a eleição presidencial.

Obama deixou o caminho aberto para uma retaliação contra os russos para desencorajar a Rússia e outros países a realizar novas ações hackers.

O presidente declarou que esperava que Trump também se preocupasse com as ações da Rússia e que a investigação não deveria se tornar um “futebol político” entre republicanos e democratas.

Trump tem dito que venceu a eleição justamente e se irritou com as sugestões de que Moscou teria influenciado o resultado. Contudo, durante a acirrada campanha eleitoral, ele publicamente incentivou a Rússia a realizar ações contra emails de Hillary.

O empresário de Nova York falou de forma elogiosa durante a campanha sobre Putin e desde que ganhou o pleito escolheu alguns integrantes para o próximo governo com laços com a Rússia.

Ao mesmo tempo que Obama disse haver tido conversas construtivas com Trump desde a eleição e enfatizado que faria tudo para assegurar uma transição tranquila, o presidente de saída tem criticado os republicanos de forma geral.

Referindo-se a pesquisas que mostram que mais de um terço dos republicanos aprovam Putin, Obama disse que o ícone conservador Ronald Reagan “iria se revirar no túmulo”.

Reportagem de Roberta Rampton, Jeff Mason e Julia Harte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below